terça-feira, 22 de dezembro de 2015

Francisco e o catálogo das virtudes: 12 "antibióticos" contra as doenças da Cúria...


No ano passado as doenças, nesse ano os antibióticos. Agudo e sagaz, o Papa Francisco ‘embrulha’ os votos de natal à Cúria Romana com um discurso de sincera clareza, oferecendo recomendações e convidando bispos e prelados a um exame de consciência, refletindo também sobre os escândalos recentes que “feriram algumas almas”.
“Hoje devo falar dos antibióticos curiais", anuncia Bergoglio, pedindo "permissão" para ler o texto sentado e não de pé porque, “há alguns dias estou com gripe e não me sinto muito forte”. No seu discurso, reitera “o profissionalismo e o serviço” que distinguem o trabalho da cúria e recorda o “catálogo das doenças curiais” elencado em 2014, que – diz – “poderiam atingir cada cristão, cada cúria, comunidade, congregação, paróquia e movimento eclesial”.
Doenças que, infelizmente, também este ano, continuaram a manifestar-se, “causando muita dor em todo o corpo e ferindo muitas almas”. “Parece um dever afirmar que isso foi e sempre será objeto de sincera reflexão e fortes determinações”, destaca o Papa e afirma que “a reforma seguirá com determinação e lucidez, porque Ecclesia semper reformanda".
No entanto, continua o Santo Padre, “as doenças e até mesmo os escândalos não poderão esconder a eficiência dos serviços, que a Cúria Romana com esforço, com responsabilidade, com trabalho e dedicação presta ao Papa e à toda a Igreja”. E este “é um verdadeiro consolo”. Portanto, seria “uma grande injustiça” não expressar gratidão e encorajamento a todas as pessoas “saudáveis e honestas” que trabalham “com dedicação, devoção, fidelidade e profissionalismo”. Além disso, “as resistências, os cansaços e as quedas das pessoas e dos ministros são, também, lições e ocasiões de crescimento, e nunca de desânimo”, acrescenta o Pontífice.
Portanto, chama a “voltar ao essencial”, no começo deste Ano Santo da Misericórdia, que representa para todos “um forte apelo” à “gratidão, conversão, renovamento, penitência e reconciliação”. Francisco, então, oferece “um subsídio prático” para poder viver “frutuosamente” este tempo de graça. Ou melhor, um “catálogo das virtudes necessárias” para quem presta serviço à Cúria e para quem quer fazer “fecunda” a sua consagração ou o seu serviço à Igreja, a partir de uma “análise acróstica” da palavra misericórdia.
***
1. Missionaridade e pastoralidade. “A missionaridade é o que faz, e mostra, a cúria fértil e fecunda; é a prova da eficácia, da eficiência e da autenticidade do nosso obrar”, explica o Santo Padre. “A fé é um dom, mas a medida da nossa fé se prova também no quanto somos capaz de comunica-la”. A pastoralidade, quando “sadia”, é, pelo contrário, “uma virtude indispensável especialmente para cada sacerdote”. Ou seja, “o compromisso diário de seguir o Bom Pastor, que cuida das suas ovelhas e dá a sua vida para salvar a vida dos demais”. “Sem estas duas asas nunca poderemos voar e nem sequer alcançar a bem-aventurança do ‘servo fiel’, diz o Papa.
2. Idoneidade e sagacidade. Portanto, “o esforço pessoal para adquirir os requisitos necessários para exercer da melhor forma possível as próprias tarefas e atividades, com inteligência e intuição”. Duas virtudes que são, portanto, “contra as indicações e os subornos”.
3. Espiritualidade e humanidade. A espiritualidade é a “espinha dorsal de qualquer serviço na Igreja e na vida cristã”, destaca o Papa Bergoglio, e “é o que alimenta todo o nosso obrar, o sustenta e o protege da fraqueza humana e das tentações de cada dia”. A humanidade é “o que nos faz diferentes das máquinas e dos robôs que não sentem e não se comovem”. “Quando nos é difícil chorar seriamente ou rir apaixonadamente, então, começou a nossa queda e nosso processo de transformação de ‘homens’ para outra coisa”, adverte, exortando a “mostrar ternura e familiaridade e cortesia com todos”.
4. Exemplo e fidelidade. Aqui quem fala é o beato Paulo VI com a sua advertência à cúria de não esquecer “a vocação à exemplaridade”. Exemplaridade – acrescenta Francisco – “para evitar os escândalos que ferem as almas e ameaçam a credibilidade do nosso testemunho”. Fidelidade, portanto, “à nossa consagração” recordando sempre as palavras de Cristo: “Quem escandalizar um destes pequeninos que crêem em mim, é melhor que lhe seja colocada uma pedra de moinho no pescoço e que seja jogado no fundo do mar”.
5. Racionalidade e amabilidade. Uma, a racionalidade, "serve para evitar excessos emocionais"; a outra, a amabilidade, “para evitar os excessos da burocracia e das programações e planificações”. Portanto, duas “habilidades necessárias para o equilíbrio da personalidade”. “Todo excesso – afirma, de fato, o Bispo de Roma – é sinal de algum desequilíbrio".
6. inocuidade e determinação. A inocuidade “nos faz cautelosos nos juízos, capazes de abster-nos de ações impulsivas e precipitadas. É a capacidade de trazer para fora o melhor de nós mesmos, dos outros e das situações agindo com atenção e compreensão. É o fazer aos outros o que gostaria que fosse feito contigo”, destaca Bergoglio. “A determinação é o agir com vontade determinada, com visão clara e com obediência a Deus, e só pela lei suprema da salus animarum”.
7. Caridade e verdade. Duas virtudes inseparáveis ​​para a existência cristã, a tal ponto que - diz o Papa - "a caridade sem verdade se torna bonachismo destrutivo e a verdade sem caridade se transforma em ‘judiciarismo’ cego”.
8. Honestidade e maturidade. Sinônimos de retidão, coerência e sinceridade absoluta "conosco mesmos e com Deus”. “Quem é honesto não atua corretamente apenas sob o olhar do supervisor ou do superior; o honesto não tem medo de ser surpreendido, porque nunca engana quem confia nele”, explica o Papa Francisco. O honesto – acrescenta – “nunca se sente dono das pessoas ou das coisas que lhe são confiadas para administrar”, como faz o “servo mau”. A honestidade é, portanto, “a base na qual se apoiam todas as qualidades”. Maturidade é, pelo contrário, “a busca da harmonia entre as nossas capacidades físicas, psíquicas e espirituais”. A meta, ou seja, “de um processo de desenvolvimento que não termina nunca e que não depende da idade que temos”.
9. Respeito e humildade. A primeira é a virtude "das almas nobres e delicadas”; das pessoas “que procuram sempre ter devida consideração pelos outros, pelo próprio papel, pelos superiores e subordinados, pelas práticas, pelos papéis, pelo segredo e pela reserva” e que sabem “ouvir atentamente e falar educadamente”. A humildade, por outro lado, é “virtude dos santos”, daqueles que são conscientes de “não serem nada e de não poderem fazer nada sem a graça de Deus”.
10. ‘Dadivoso’ e atento. “Dadivosidade, eu tenho o vício dos neologisimos, né!”, brinca o Papa de improviso. Depois adverte: “É inútil abrir todas as Portas Santas de todas as basílicas do mundo se a porta do nosso coração está fechada ao amor, se as nossas mãos estão fechadas ao doar, se as nossas casas estão fechadas à hospedagem e se as nossas igrejas estão fechadas à acolhida”. É necessário, portanto, “cuidar dos detalhes” e “oferecer o melhor de nós”, não abaixando nunca a guarda “dos nossos vícios e faltas”.
11. Impavidez e prontidão. "Ser impávidos significa não deixar-se amedrontar pelas dificuldades”, diz Francisco; significa “agir com audácia e determinação e sem mediocridade”, “dar o primeiro passo em demora”, mas fazê-lo “com liberdade e agilidade sem apegar-se às coisas materiais que passam”. Em outras palavras “estar sempre a caminho, sem nunca sobrecarregar-se acumulando coisas desnecessárias e fechando-se nos próprios projetos, e sem deixar-se dominar pela ambição”.
12. Fiabilidade e sobriedade. Fiabilidade – destaca Bergoglio – “é aquele que sabe manter os compromissos com seriedade e confiabilidade quando está sendo observado, mas principalmente quando está só; é aquele que irradia, ao seu redor, um senso de tranquilidade porque não trai nunca a confiança que lhe foi dada”. Last but not least a sobriedade “é a capacidade de renunciar ao supérfluo e de resistir à lógica consumista dominante”. Neste sentido, sobriedade é sinônimo de “prudência, simplicidade, essencialidade, equilíbrio e temperança”, explica o Santo Padre. “A sobriedade é um estilo de vida que indica o primado do outro como princípio hierárquico e expressa a existência como cuidado e serviço aos outros", acrescenta. O sóbrio é uma “pessoa coerente e essencial em tudo, porque sabe reduzir, recuperar, reciclar, reparar e viver com o sentido da proporção”.
Doze remédios, portanto, elaborados pelo Papa para evidenciar que “a misericórdia não é um sentimento passageiro”, mas “a escolha de quem quer ter os sentimentos do Coração de Jesus”. Portanto, que seja a misericórdia que “guie os nossos passos, inspire as nossas reformas, ilumine as nossas decisões”, deseja o pontífice. “Que ela seja a coluna vertebral do nosso obrar. Que ela nos ensine quando devemos seguir adiante e quando devemos dar um passo atrás”.
Na conclusão do discurso, Francisco recitou uma “bela oração”, comumente atribuída ao Beato Oscar Arnulfo Romero, mas pronunciada pela primeira vez pelo Cardeal John Dearden. Também essa uma excelente bula para prevenir certas doenças ...

De vez em quando é bom darmos um passa atrás para vermos as coisas de uma distância.
O Reino não está só além de nossos esforços, mas também além da nossa visão.
Na nossa vida só conseguimos realizar uma pequena parte
desse empreendimento maravilhoso que é a obra de Deus.
Nada do que fazemos é completo.
Que significa dizer que o Reino está além de nós mesmos.
Nenhuma afirmação diz tudo o que pode ser dito.
Nenhuma oração expressa plenamente a nossa fé.
Nenhuma crença traz a perfeição.
Nenhuma visita pastoral traz consigo todas as soluções.
Nenhum programa realiza plenamente a missão da Igreja.
Nenhuma meta ou objetivo alcança a completude.
Disso se trata:
nós plantamos as sementes que um dia vão nascer.
Nós regamos sementes já plantadas, sabendo que outros a protegerão.
Colocamos as bases de algo que vai crescer.
Colocamos o fermento que vai multiplicar as nossas capacidades.
Nós não podemos fazer tudo,
Mas começar dá uma sensação de libertação.
Dá-nos a força de fazer alguma coisa e de fazê-lo bem.
Pode permanecer incompleto, mas é um começo, o passo de uma jornada.
Uma oportunidade para que a graça de Deus entre e faça o resto.
Pode ser que nunca vejamos a sua realização,
mas esta é a diferença entre o mestre de obras e o trabalhador.
Somos trabalhadores, não mestres de obra,
servos, não messias.
Somos profetas de um futuro que não nos pertence.
Por: www.zenit.org



Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Postar um comentário

Que tal deixar um comentário?

Ultimas Notícias
Loading...
Enviar Mensagem
Aperte Esc para Fechar
Copyright © 2010 - 2017 Comunidade Católica Filhos de Sião Todos os Direitos Reservados