quinta-feira, 28 de março de 2013

Celebração da Quinta-feira Santa


A Quinta-feira Santa, primeiro dia do Tríduo Pascal, marca uma celebração capital dentro de todo o ano litúrgico, celebração solene e grandiosa emoldurada no contexto dramático da proximidade da paixão e morte do Senhor. É o dia cume da despedida e do amor extremo feito serviço humilde e generoso. Muitas são as facetas que se entrecruzam num dia como este. Vejamos as principais:

Dia do amor fraterno

Hoje ressoa na comunidade o mandamento novo, mandamento do amor, do amor «como eu vos tenho amado». «Amei-vos até o fim», até fazer-me servo e escravo num tipo de serviço considerado humilhante e próprio dos escravos (lavar os pés). «Eu dei-vos o exemplo». «Vós também deveis lavar os pés uns dos outros.» Trata-se de uma proclamação do mandamento do amor feita não com palavras mas com um sinal prático, o serviço. Amar é servir. Ama quem serve. Obras são amores.

Instituição da Eucaristia

Para o evangelista São João, a instituição da Eucaristia está ligada estreitamente ao lava-pés. A Eucaristia expressa e constitui o sacramento do amor de uma maneira visível, assim como o lava-pés. Jesus parte e reparte o pão e o vinho, e diz: «Fazei isto em minha memória», ou seja: para recordar-me fazei isto; ou também: partir e repartir a própria existência será a forma de seguimento que melhor testemunha e faz memória de mim. Celebrar a Eucaristia, fracção do pão, será sempre muito mais que ouvir a Missa: «Cada vez que comemos deste pão… anunciamos a morte do Senhor até que Ele venha.»

Instituição do Sacerdócio

A Igreja recorda que ao instituir a Eucaristia, Cristo também institui o sacerdócio da Nova Aliança. Diz o Santo Padre: «O sacerdote é o homem que guiado pela fé tem acesso aos bens que constituem a herança da Redenção realizada pelo Jesus Cristo que o escolheu para ser o administrador da riqueza da Palavra e dos Sacramentos», e cuja qualidade fundamental é como ensina S. Paulo a fidelidade (cf. 1 Cor 4, 2). O padre dá a Cristo a sua própria humanidade que dela se serve como instrumento de salvação, e «esta doação – admirabile commercium – torna-o um outro eu.» Este é o cerne da vocação sacerdotal. O padre é um expropriado de si próprio que na renúncia a tudo por Cristo descobre que a sua personalidade se realiza plenamente por este caminho, a via da entrega total e do amor sem limites.



Olhando para Maria, a verdadeira discípula de Cristo que amava a Deus acima de todas as coisas e ao próximo como a si mesma, e seguindo os passos de São Paulo que fez tudo para todos (cf. 1 Cor 9, 22), procuremos praticar «com todo o nosso coração e com toda as nossas forças», o mandamento novo para edificarmos, quanto antes, a «civilização do amor».



Na homilia comentam-se os grandes mistérios que neste dia se comemoram: a instituição da sagrada Eucaristia e do sacramento da Ordem e o mandato do Senhor sobre a caridade.



Lava-pés



Fala o Santo Padre



«Deus desce até à extrema baixeza da nossa queda:

Ajoelha-se diante de nós e lava os nossos pés sujos, para que possamos ser admitidos à Sua mesa.»



«Ele, que amara os seus que estavam no mundo, levou o seu amor por eles até ao extremo» (Jo 13, 1): Deus ama a sua criatura, o homem; ama-o também na sua queda e não o abandona a si mesmo. Ele ama até ao fim. Vai até ao fim com o seu amor, até ao extremo: desce da sua glória divina. Depõe as vestes da sua glória divina e reveste-se com as do servo. Desce até à extrema baixeza da nossa queda. Ajoelha-se diante de nós e presta-nos o serviço do servo; lava os nossos pés sujos, para que possamos ser admitidos à mesa de Deus, para que nos tornemos dignos de nos sentarmos à sua mesa o que, por nós mesmos, nunca podemos nem devemos fazer.

Deus não é um Deus distante, demasiado distante e grande para se ocupar das nossas insignificâncias. Porque Ele é grande, pode interessar-se também pelas coisas pequenas. Porque Ele é grande, a alma do homem, o mesmo homem criado para o amor eterno, não é uma coisa pequena, mas grande e digna do seu amor. A santidade de Deus não é só um poder incandescente, diante do qual nós nos devemos retirar aterrorizados; é poder de amor e por isso é poder que purifica e restabelece.

Deus desce e torna-se escravo, lava-nos os pés para que possamos estar na sua mesa. Exprime-se nisto todo o mistério de Jesus Cristo. Nisto se torna visível o que significa redenção. O banho no qual nos lava é o seu amor pronto para enfrentar a morte. Só o amor tem aquela força purificadora que nos tira a nossa impureza e nos eleva às alturas de Deus. O banho que nos purifica é Ele mesmo que se doa totalmente a nós até às profundidades do seu sofrimento e da sua morte. Ele é continuamente este amor que nos lava; nos sacramentos da purificação o baptismo e o sacramento da penitência, Ele está continuamente ajoelhado diante dos nossos pés e presta-nos o serviço do servo, o serviço da purificação, torna-nos capazes de Deus. O seu amor é inexaurível, vai verdadeiramente até ao fim.

«Vós estais limpos, mas não todos», diz o Senhor (Jo 13, 10). Nesta frase revela-se o grande dom da purificação que Ele nos faz, porque deseja estar à mesa juntamente connosco, deseja tornar-se o nosso alimento. «Mas não todos» existe o obscuro mistério da recusa, que com a vicissitude de Judas nos torna presentes e, precisamente na Quinta-Feira Santa, no dia em que Jesus faz a oferenda de Si, nos deve fazer reflectir. O amor do Senhor não conhece limites, mas o homem pode pôr-lhe um limite.

«Vós estais limpos, mas não todos»: o que é que torna o homem impuro? É a recusa do amor, o não querer ser amado, o não amar. É a soberba que julga não precisar de purificação alguma, que se fecha à bondade salvífica de Deus. É a soberba que não quer confessar nem reconhecer que precisamos de purificação. Em Judas vemos a natureza desta recusa ainda mais claramente. Ele avalia Jesus segundo as categorias do poder e do sucesso: para ele só o poder e o sucesso são realidades, o amor não conta. E ele é ávido: o dinheiro é mais importante do que a comunhão com Jesus, mais importante do que Deus e o seu amor. E assim torna-se também mentiroso, ambíguo e vira as costas à verdade; quem vive na mentira perde o sentido da verdade suprema, de Deus. Desta forma ele endurece-se, torna-se incapaz da conversão, da volta confiante do filho pródigo, e deita fora a vida destruída.

«Vós estais limpos, mas não todos». Hoje, o Senhor admoesta-nos perante aquela auto-suficiência que põe um limite ao seu amor ilimitado. Convida-nos a imitar a sua humildade, a confiar-nos a ela, a deixar-nos «contagiar» por ela. Convida-nos por muito desorientados que nos possamos sentir a voltar para casa e a permitir que a sua bondade purificadora nos reanime e nos faça entrar na comunhão da mesa com Ele, com o próprio Deus.

Acrescentamos uma última palavra deste inexaurível texto evangélico: «dei-vos exemplo…» (Jo 13, 15); «também vós vos deveis lavar os pés uns aos outros» (Jo 13, 14). Em que consiste «lavar os pés uns aos outros»? Que significa concretamente? Eis que, qualquer obra de bondade pelo outro especialmente por quem sofre e por quantos são pouco estimados é um serviço de lava-pés. Para isto nos chama o Senhor: descer, aprender a humildade e a coragem da bondade e também a disponibilidade de aceitar a recusa e contudo confiar na bondade e perseverar nela. Mas existe ainda uma dimensão mais profunda. O Senhor limpa-nos da nossa indignidade com a força purificadora da sua bondade. Lavar os pés uns aos outros significa sobretudo perdoar-nos incansavelmente uns aos outros, recomeçar sempre de novo juntos, mesmo que possa parecer inútil. Significa purificar-nos uns aos outros suportando-nos mutuamente e aceitando ser suportados pelos outros; purificar-nos uns aos outros doando-nos reciprocamente a força santificadora da Palavra de Deus e introduzindo-nos no Sacramento do amor divino.

O Senhor purifica-nos e, por isso, ousamos aceder à sua mesa. Peçamos-lhe que conceda a todos nós a graça de podermos ser, um dia e para sempre, hóspedes do eterno banquete nupcial.

Amém!

Papa Bento XVI, Basílica de São João de Latrão, 13 de Abril de 2006


Fonte: http://www.presbiteros.com.br
Comentários
0 Comentários
Ultimas Notícias
Loading...
Enviar Mensagem
Aperte Esc para Fechar
Copyright © 2010 - 2014 Comunidade Católica Filhos de Sião Todos os Direitos Reservados