Formação

Notícias da Igreja

Destaques

quarta-feira, 18 de dezembro de 2013
O verdadeiro sentido do Natal

O verdadeiro sentido do Natal



O verdadeiro Natal nunca muda, pois não muda também a compreensão do que é o Natal na alma dos católicos de verdade.

Nessas almas, mais do que o consumismo estúpido, mais do que a vermelha figura do Papai Noel, em seu trenó deslizante no verão brasileiro, mais do que a maçante Gingle Bells, exaustivamente tocada nas lojas com descartáveis produtos coloridos, ressoa o hino cantado pelos anjos “Glória in excelsis Deo”.

Ressoam as puras notas do “Puer natus est nobis, et filium nobis est datum”. Porque, para nós que “habitávamos nas sombras da morte, para nós brilhou uma grande luz”.

Que se entende, hoje, que é um “Feliz natal, para você” ? No máximo da inocência, um regabofe em família, com presentinhos, beijinhos e indigestão.

E quando o Natal não é tão inocente...

Quando o Natal não é tão inocente se realiza o canto pagão e naturalista; “Adeus ano velho. Feliz ano novo. Muito dinheiro no bolso. Saúde para dar e vender”.

Eis a felicidade pagã: dinheiro, saúde, prazer.

Sem Deus. Sem Redenção. Sem alma. Que triste Natal esse!

Que infeliz e decrépito ano novo, tão igual aos velhos anos do paganismo!

Será que o povo que habitava nas sombras da morte já não vê a grande luz que brilhou para ele em Belém?

Até a luz do Natal está ofuscada. E quão poucos compreendem essa luz!

No presépio se conta tudo.

Tudo está lá bem resumido. Mas o povo olha as pequenas figuras e não compreende o que significa que um Menino nos foi dado, que um Filho nasceu para nós.

No presépio se vê um Menino numa manjedoura, entre um boi e um burro...

A Virgem Maria, Mãe de Deus adorando seu Filhinho que é o Verbo de Deus encarnado, envolto em panos. São José, contemplando o Deus Menino tiritante de frio, à luz de uma tosca lanterna.

Um anjo esvoaçante sobre a cabana rústica. Uma estrela. Pastores com suas ovelhas, cabras e bodes. Um galo que canta na noite. Os Reis que chegam olhando a estrela, seguindo a estrela, para encontrar o Menino com sua Mãe.

Tudo envolto no cântico celeste dos anjos;

“Glória a Deus nas alturas! E paz, na terra, aos homens que têm boa vontade” (Luc. II, 14)

Isso aconteceu nos dias de Herodes, quando César Augusto decretou um recenseamento.

E como não havia lugar para Maria e José na estalagem, em Bethleem, terra de Davi, eles tiveram que se refugiar numa cocheira, entre um boi e um burro.

Porque assim se realizaram as profecias:

* “E tu, Bethleem Efrata, tu és a mínima entre as milhares de Judá, mas de ti há de me sair Aquele que há de reinar em Israel, e cuja geração é desde o Princípio, desde os dias da eternidade”, como profetizou o Profeta Miquéias (Mi. V, 1).

** ”O Senhor vos dará este sinal: uma Virgem conceberá, e dará à luz um filho, e seu nome será Emanuel” (Is. VII,14)

*** “O Boi conhece o seu dono, e o burro conhece o presépio de seu senhor, mas Israel não me conheceu e o meu povo não teve inteligência” profetizou Isaías muitos séculos antes (Is. I,3).

E Cristo, nos dias de Herodes, nasceu em Bethleem que quer dizer casa do pão (Beth = casa. Lêem = pão).

Cristo devia nascer em Belém, casa do pão, porque Ele é o pão que desceu dos céus, para nos alimentar. Por isso foi posto numa manjedoura, para alimentar os homens.

Devia nascer num estábulo, porque recebemos a Cristo como pão do Céu na Igreja, representada pelo estábulo, visto que nas cocheiras, os animais deixam a sujeira no chão, e comem no cocho. E na Igreja os católicos deixam a sujeira de seus pecados no confessionário, e, depois, comem o Corpo e bebem o Sangue de Jesus Cristo presente na Hóstia consagrada, na mesa da comunhão.

Jesus devia nascer de uma mulher, Maria, para provar que era homem como nós. Mas devia nascer de uma Virgem — coisa impossível sem milagre — para provar que era Deus. Este era o sinal, isto é, o milagre que anunciaria a chegada do Redentor: uma Virgem seria Mãe. Nossa Senhora é Virgem Mãe. E para os protestantes, que não crêem na virgindade perpétua de Maria Santíssima, para eles Maria não foi dada por Mãe, no Calvário. Pois quem não tem a Maria por Mãe, não tem a Deus por Pai.

E por que profetizou Isaías sobre o boi e o burro no presépio?

Que significam o boi e o burro?

O boi era o animal usado então, para puxar o arado na lavoura da terra.

Terra é o homem. Adão foi feito de terra. Trabalhar a terra é símbolo de santificar o homem. Ora, os judeus tinham sido chamados por Deus para ser o sal da terra e a luz do mundo, isto é, para dar vida (sal) espiritual, santidade, aos homens, e ensinar-lhes a verdade (luz).

O boi era então símbolo do judeu.

O burro, animal que simboliza falta de sabedoria, era o símbolo do povo gentio, dos pagãos, homens sem sabedoria.

Mas Deus veio salvar objetivamente a todos os homens, judeus e pagãos. Por isso, no presépio de Cristo, deviam estar o boi (o judeu) e o burro (o pagão).

Foi também por isso que Jesus subiu ao Templo montado num burrico que jamais havia sido montado, isto é, um povo pagão que não fora sujeito ao domínio de Deus. E os judeus não gostaram que o burro fosse levado ao Templo, isto é, que Cristo pretendesse levar também os pagãos à casa de Deus, à religião verdadeira. Por isso foi escrito: “mas Israel não me conheceu e o meu povo não teve inteligência”.

Como também o povo católico, hoje, já não tem inteligência para compreender o Natal, pois “coisas espantosas e estranhas se tem feito nesta terra: os profetas profetizaram a mentira, e os sacerdotes do Senhor os aplaudiram com as suas mãos. E o meu povo amou essas coisas. Que castigo não virá, pois, sobre essa gente, no fim disso tudo?” (Jer. V, 30-31).

Pois se chegou a clamar: “Glória ao Homem, já rei da Terra e agora príncipe do céu”, só porque o homem fora até a Lua num foguete, única maneira do homem da modernidade subir ao céu.

No Natal de Cristo, tudo mostra como Ele era Deus e homem ao mesmo tempo.

Como já lembramos, Ele nasceu de uma mulher, para provar que era homem como nós. Nasceu de uma Virgem, para provar que era Deus.

Como um bebê, Ele era incapaz de andar e de se mover sozinho. Como Deus, Ele movia as estrelas.

Como criança recém nascida era incapaz de falar. Como Deus fazia os anjos cantarem.

Ele veio salvar objetivamente a todos, mas nem todos o aceitaram. E Herodes quis matá-lo.

Ele chamou para junto de si, no presépio, os pastores e os Reis, para condenar a Teologia da Libertação e os demagogos pauperistas que pregam que Cristo nasceu como que exclusivamente para os pobres. É falso!

Assim como o sol brilha para todos, Deus quis salvar a todos sem acepção de pessoa. Por isso chamou os humildes e os poderosos junto à manjedoura de Belém.

Mas, dirá um seguidor do bizarro frei Betto ou do ex frei Boff, que nada compreendem do Evangelho pois o lêem com os óculos heréticos e assassinos de Fidel e de Marx, sendo “cegos ao meio dia” (Deut. XXVIII, 29): Deus tratou melhor os pastores pobres, pois lhes mandou um anjo, do que os reis poderosos, exploradores do povo, aos quais chamou só por meio de uma estrela. É verdade!!!

Deus tratou melhor aos pastores. Mas não porque eram pastores, e sim porque eram judeus. Sendo judeus, por terem a Fé verdadeira, então, mandou-lhes um sinal espiritual. Aos reis magos, porque pertenciam a um povo sem a religião verdadeira, mandou-lhes um sinal material: a estrela.

No presépio havia ovelhas e bodes, porque Deus veio salvar os bons e os pecadores.

E a Virgem envolveu o menino em panos.

Fez isso, é claro, porque o pequeno tinha frio, e por pudor.

Mas simbolicamente porque aquele Menino —que era o Verbo de Deus feito homem—, que era a palavra de Deus humanada, tinha que ser envolta em panos, pois que a palavra de Deus, na Sagrada Escritura, aparece envolta em mistério, pois não convém que a palavra de Deus seja profanada. Daí estar escrito: “A glória de Deus consiste em encobrir a palavra; e a glória dos reis está em investigar o discurso” (Prov, XXV, 2).

E “Um Menino nasceu para nós, um filho nos foi dado, e o império foi posto sobre os seus ombros, e seu nome será maravilhoso, Deus Poderoso, Conselheiro, o Deus eterno, o Príncipe da Paz” (Is. IX, 5).

Porque todos os homens, em Adão, haviam adquirido uma dívida infinita para com Deus, já que toda culpa gera dívida conforme a pessoa ofendida. E a ofensa de Adão a Deus produzira dívida infinita, que nenhum homem poderia pagar, pois todo mérito humano é finito. Só Deus tem mérito infinito. Portanto, desde Adão, nenhum homem poderia salvar-se. Todos nasceriam, viveriam e iriam para o inferno. E a humanidade jazia então nas sombras da morte.

Mas porque Deus misericordiosamente se fez homem, no seio de Maria, era um Homem que pagaria a dívida dos homens, porque esse Menino, sendo Deus, teria mérito infinito, podendo pagar a dívida do homem. Por isso, quando Ele morreu por nós, foi condenado por Pilatos, representando o maior poder humano — o Império — que O apresentou no tribunal dizendo: “Eis o Homem”.  (Jo XIX, 5)

Ele era O Homem.

Era um homem que pagava os pecados dos homens assumindo a nossa natureza e nossas culpas, mas sem o pecado. Era Deus-Menino sofrendo frio e fome por nossos confortos ilícitos e nossa gula, na pobreza e no desprezo, por nossa ambição e nosso orgulho.

E os pastores e os Reis O encontraram com Maria sua Mãe, para mostrar que só encontra a Cristo quem O busca com sua Mãe.

E para demonstrar que diante de Jesus, ainda que Menino, todo poder deve dobrar o joelho.

E os pastores levaram ao Deus Menino suas melhores ovelhas, e seus melhores cabritos, enquanto os Reis Lhe levaram mirra, incenso e ouro. A mirra da penitência. O incenso da adoração. O ouro do poder.

Tudo é de Cristo.

Todos, levando esses dons, reconheciam que Ele era Deus, o Senhor de todas as coisas, Ele que dá todas as ovelhas e cabras aos pastores. Ele que dá aos Reis o poder e o ouro.

Deus é o Supremo Senhor de todas as coisas. Ele é o Soberano Absoluto a quem devemos tudo. E para reconhecer que Ele é a fonte de todos os bens que temos é que devemos levar-Lhe em oferta o melhor do que temos. 

Fonte: CATOLICISMO ROMANO
segunda-feira, 9 de dezembro de 2013
Kairós Fest agita juventude

Kairós Fest agita juventude



A Juventude de Marco e região do baixo Vale Acaraú, acolheu de braços abertos o  Kairós Fest Music. Uma noite de emoção e muita Fé para a juventude e famílias. O evento aconteceu na noite de sábado 07 de dezembro na  casa de shows Park Maravilha em Marco.
 A programação teve início com a apresentação da Banda E3, banda esta que surgiu do projeto Juventude para Jesus da Comunidade Católica Shalom de Fortaleza, com seu ritmo diversificado e  bem jovem, levou a juventude a sair do chão e louvar a Deus.



 Logo depois tivemos o momento mais importante da noite, A Santa Missa, que foi celebrada pelo Padre Antônio Furtado,  que tocou muitos corações com seu anuncio bem esclarecedor do santo evangelho.
 Já no final da Santa Missa tivemos um momento muito lindo e emocionante com a adoração, onde o Santíssimo passeou no meio do povo, nesse momento especial temos a certeza de que corações  se abriram para Jesus e que já não saíram daquele evento da mesma forma em que chegaram, mas com o coração diferente, pois a semente foi plantada, cabe a cada um agora regala para que ela floresça.



 Prosseguimos com o Show  após a Santa missa, nesta hora a emoção subiu com a voz suave e maravilhosa de Ana Gabriela, que cantou e encantou com suas lindas canções; Fogo abrasador, Só tu és Santo, Nasci para te amar, um canto novo, dentre outras.

 Para terminar a noite de forma enérgica, subiu no palco Cosme e sua alegria contagiante que não deixou ninguém parado, com suas canções pra lá de divertidas e irreverentes, mas também com muito amor e gratidão a Deus.
 A juventude sacudiu a poeira, todo mundo saiu do chão para louvar a nosso Deus. E assim a noite do Kairós terminou, como começou; eletrizante e emocionante.


Além das atrações artísticas, tivemos também durante todo o evento espaço reservado para oração, stands com produtos confeccionados pela Comunidade Filhos de Sião, além da lanchonete providência divina que garantiu a diversão de todos com uma boa alimentação.

A Comunidade Filhos de Sião, por meio de seus fundadores, Vander Lúcia, Adriano Silva e Glaucia Rocha vem agradecer a todos que colaboraram com esse evento maravilhoso, aos patrocinadores em geral, as pessoas que fizeram doações, as pessoas que apoiaram o evento desde a divulgação, até a conclusão. Agradece também aos membros da Comunidade Shalom, a paróquia de São Manuel do Marco, enfim a todas as pessoas  que participaram do evento e que assim contribuíram com a construção da nossa Casa de retiro Virgem de Sião. Muito obrigado  e que Deus abençoe.
quarta-feira, 4 de dezembro de 2013
Aproxima-se o dia da salvação.

Aproxima-se o dia da salvação.


Queridos Filhos, amados irmãos,
aproxima-se o dia da salvação.
O que fizemos?
O que celebraremos interiormente nesse natal?
Como estamos adornados para o esposo?
O menino nascerá mas uma vez em uma manjedoura ou em uma bela hospedaria?
Esses e outros questionamentos poderemos fazer, mas o que realmente interessa são as respostas. Espero que as liturgias e o clima do advento tenha nos cativado à respostas significativas.
Se não ainda temos alguns dias e é possível. A salvação quer entrar em sua casa.
Espero que tenhamos seguido a estrela porque os reis se deixaram guiar pela estrela e encontraram o menino. Quanto a Herodes apenas se inflamou de cólera e na sua indignação matou a muitos. Não somos Herodes nem os reis magos, mas somos livres para trilharmos nosso caminho de encontro com o salvador.
Vander Lúcia
Fundadora
domingo, 17 de novembro de 2013
1° Kairós Fest Music

1° Kairós Fest Music





Vem aí o 1° Kairós Fest Music na cidade de Marco.
Será dia 7 de Dezembro no Park Maravilha, com os shows de Ana Gabriela da Com. Shalom, Cosme, Banda E3, Ministério Filhos de Sião e participação especial do Padre Antônio Furtado.
Não perca! Adquira seu ingresso antecipado na Casa da Paz em Marco.
Venha participar deste evento de Fé, emoção e muito Louvor. 
Informações: 88 99930044 

terça-feira, 5 de novembro de 2013
Festa de São Manuel

Festa de São Manuel






Tema: "Fortes na fé, alegres na esperança e operosos na caridade"

07 de Novembro - Abertura da Festa de São Manuel
5h00 - Caminhada missionária, repique dos sinos e banda de música
5h45 - Hasteamento da bandeira e Palavra de abertura da festa
18h00 - Grande Carreata: Concentração na Praça da Matriz
Bênção dos veículos e condutores e bênção das crianças

19h-Celebração Eucarística: Monsenhor Rômulo
Tema: Enraizados e radicados em Cristo, firmes na fé (Cl 2,7)

08 de Novembro
Celebração Eucarística: Pe. Jacó Sidarta de Souza - Morrinhos
Tema: Ainda que eu tivesse o dom da profecia, o conhecimento de todos os mistérios, e de toda ciência; ainda que eu tivesse toda a fé, a ponto de transportar montanhas, se não tivesse o amor, eu nada seria (ICor 13,2)

09 de Novembro
Celebração Eucarística: Monsenhor Rômulo
Tema: Tudo posso naquele que me fortalece (Fl 4,13)

10 de Novembro
Celebração Eucarística: Pe. Antônio Eudes Cruz - Acaraú
Tema : Atenção! Guardai-vos de todo o tipo de ganância, pois mesmo que se tenha muitas coisas, a vida não consiste na abundância de bens (Lc 12,15)


11 de Novembro
Celebração Eucarística: Pe. José Lucione Queiroz Holanda
Tema: Amai os vossos inimigos e orai por aqueles que vos perseguem! Assim vos tornareis filhos de vosso Pai que estais no céu, pois ele faz nascer o sol sobre os maus e bons e faz cair chuva sobre os justos e injustos (Mt 5,43)

12 de Novembro
Celebração Eucarística: Pe. Tomé da Silva - Santana do Acaraú
Tema: A colheita é grande, mas os trabalhadores são poucos. Pedi, pois ao Senhor da messe que mande trabalhadores para a colheita (Lc 10,1-2)


13 de Novembro
Celebração Eucarística: Pe. Francisco Claudio Nascimento -Panacuí, Marco_CE
Tema: Quem quiser ser meu discípulo, renuncie a si mesmo, tome a sua cruz de cada dia e me siga (Lc 9,23)


14 de Novembro
Celebração Eucarística: Pe. Manuel Valdery da Rocha - Cruz
Tema: Eram perseverantes em ouvir os ensinamentos dos apóstolos, na comunhão fraterna, no partir do pão e nas orações (At 2,42)

15 de Novembro
Marcha do Vale em Santana do Acaraú
19h - Celebração Eucarística: Monsenhor Rômulo
Tema: De que adianta o homem ganhar o mundo inteiro, mas perder a sua vida? (Mt 16,24)


16 de Novembro
Celebração Eucarística: Monsenhor Rômulo
Tema: Quem ouve estas palavras e as põe em prática é como um homem sensato que construiu sua casa sobre a rocha (Mt 7,24)


17 de Novembro
07h - Primeira Missa : Frei Nazário - Convento dos Frades Capuchinhos - Sobral
09h Solene Celebração Eucarística Monsenhor Rômulo
Tema: Vigiai, permanecei firmes na fé, sede corajosos, sedes fortes, fazei tudo na caridade ( I Cor 16,13-14)
16h30 -Solene Procissão de São Manuel ( saída da Praça da Matriz)

Informes: Confissões; Diariamente;
Das 7h ás 11h e das 13h ás 16h
Hora Santa; Diariamente: Das 6h ás 17h
Novena de São Manuel e Bênção do Santíssimo Sacramento; Diariamente; às 18h30
Missa diariamente ás 19h no adro da Igreja de São Manuel
sábado, 2 de novembro de 2013
Dia dos finados

Dia dos finados

   

        O sentido cristão da morte é revelado à luz do mistério da Morte e Ressurreição de Cristo, em que repousa nossa única esperança. O cristão que morre em Cristo Jesus “deixa este corpo para ir morar junto do Senhor”. (CIC -1681).

       Assim como outras datas são importantes para nossas vidas, o dia 02 de novembro, mais conhecido como dia de finados, também tem sua relevância, pois foi criado em homenagem às pessoas falecidas. Para a Igreja católica não se trata de um feriado qualquer, mas de uma oportunidade de rezarmos  pelos entes queridos que buscam a plenitude da vida diante da face de Deus. Desde os primeiros séculos, os cristãos já visitavam os túmulos dos mártires para rezar por eles e por todos aqueles que um dia fizeram parte da comunidade primitiva. No século XIII, o dia dos fiéis defuntos passou a ser celebrado em 2 de novembro, já que no dia 1º de novembro era comemorada a solenidade de todos os santos. No Corpo místico de Cristo, as almas dos fiéis se encontram e superam a barreira da morte, rezando umas pelas outras, realizando na caridade um íntimo intercâmbio de dons. Nessa dimensão de fé, compreendemos a prática de oferecer pelos falecidos orações de sufrágio, de maneira especial a Santa Missa – memorial da Páscoa de Cristo que abriu aos que têm fé em Cristo a vida eterna.

     Nos seus ensinamentos, o Papa João Paulo II ensinou-nos que “a Igreja do Céu, a Igreja da Terra e a Igreja do Purgatório estão misteriosamente unidas nessa cooperação com Cristo para reconciliar o mundo com Deus.” (Reconciliatio et poenitentia, 12) João Paulo ainda nos ensinou que “... os vínculos de amor que unem pais e filhos, esposas e esposos, irmãos e irmãs, assim como os ligames de verdadeira amizade entre as pessoas, não se perdem nem terminam com o indiscutível evento da morte. Os nossos defuntos continuam a viver entre nós, não só porque os seus restos mortais repousam no cemitério e a sua recordação faz  parte da nossa existência, mas sobretudo porque as suas almas intercedem por nós junto de Deus”.

           A celebração do dia de Finados é uma oportunidade para fazermos uma reflexão sobre a vida. Ela terminará para todos nós aqui neste mundo, é apenas uma questão de tempo. Além disso, para a eternidade não poderemos levar nada de material. Levaremos apenas o bem que tivermos feito para nós e para os outros. Logo, deve ser uma tomada de consciência de que ser feliz e viver bem não quer dizer acumular tesouros, prazeres ou glórias, mas fazer o bem e preparar uma vida eterna com Deus.

  Cleane Rios- Ministério de Pregação.
Fonte: WEB                                                     
segunda-feira, 28 de outubro de 2013
Eucaristia: Fonte de misericórdia

Eucaristia: Fonte de misericórdia



 

 A Eucaristia é o mistério da pobreza. Não somente Ele se mostra numa extrema pobreza, mas veio do céu em auxílio à nossa pobreza.
Naquele momento Ele atendia á pobreza da Igreja abatida por uma heresia. A igreja estava doente, totalmente enfraquecida e necessitada.
quando uma heresia acontece, a força do inferno é que vem para ferir a Igreja e tentar solapar os seus fundamentos. Mas o próprio Jesus afirmou: " As portas do inferno não prevaleceram contra ela" (Mt 16,18).

Ainda hoje, o Céu continua a vir em auxílio da nossa pobreza, todos os dias em que Jesus se dá a nós na Eucaristia.

Necessitamos da Eucaristia a cada dia, por causa das nossas dúvidas, da fraqueza da nossa fé e para que nos firmemos no caminho de Deus e Seus mandamentos. A Eucaristia é uma necessidade para nossa pobreza.

A igreja precisa da Eucaristia, pois é santa e pecadora.Ela é pecadora porque fazemos parte dela. Somos o corpo de Cristo, e, por causa da nossa pobreza, empobrecemos a Igeja. Por causa do nosso pecado, fazemos a Igreja pecadora.

A Igreja Católica é a imagem do Amor do Pai, pois não põe para fora ninguém que comete pecado. Ao contrário, ela recebe o filho pecador, o filho pródigo, de braços abertos.

Mesmo com nossos pecados, não deixemos de ser filhos. A Igreja continua sendo mãe e continuamos ser filhos. Ela não põe ninguém para "fora de casa", não faz nenhum julgamento e não condena ninguém como réu.

Como Igreja, nós também precisamos ser cheios de misericórdia, por isso necessitamos da Eucaristia.

Queremos que todos deixem o pecado. Queremos que aqueles que participam da nossa comunidade, do grupo de oração, do grupo de pastoral, do grupo de casais,do grupo de jovens,queremos que todos eles sejam santos.Não aceitamos que ninguém dê contra testemunho. Mas precisamos ser cheios de misericórdia, pois cada um de nós se encontra em processo de conversão. É preciso confiar em Deus e acreditar no outro. Não podemos excluir ninguém. Deus mesmo respeita e acompanha o processo duro e demorado da conversão de cada um de nós.

Para conseguir vencer os preconceitos e as barreiras que temos em relação aos outros, para ter um coração acolhedor, humilde, para ser como nossa mãe, a Igreja, necessitamos da Eucaristia.

A Eucaristia foi instituída para ser elo de união entre nós. É preciso celebrar na Eucaristia a nossa união:
Santo Agostinho diz a respeito: " Ó sacramento da piedade! Ó sacramento da unidade! Ó vinculo da caridade!. Quanto mais dolorosas se fazem sentir as divisões da Igreja que rompem a participação comum à mesa do Senhor, tanto mais prementes são as orações ao Senhor para que voltem os dias da unidade completa de todos os que nele crêem.( Catecismo da Igreja Católica, n. 1398)


Não podemos celebrar a Eucaristia e alimentar mágoa no coração, porque a Ceia do senhor é ceia do amor e da unidade. Como o próprio Jesus disse,é preciso que deixemos nossa oferta no altar e nos reconciliar com nosso irmão.

Estaríamos nos deformando e dividindo a Igreja de Deus se persistíssemos em celebrar ceia do Senhor divididos. Precisamos tomar todas as medidas necessárias, para acabar com nossas divisões, desavenças e brigas. Nossos corações precisam estar purificados de toda mágoa,ressentimento e rancor para que então a ceia do Senhor seja realmente proveitosa para nossa vida presente e para a eternidade.

Do Livro; Eucaristia: Nosso tesouro - Padre Jonas Abib
Editora Canção Nova, Edições Loyola
Homilia do 30° Domingo do Tempo Comum

Homilia do 30° Domingo do Tempo Comum



Homilia (MP3) do 30° Domingo do Tempo Comum, Monsenhor Rômulo, Paróquia de São Manuel do Marco_CE.

A vida de cada um de nós há de ser uma caminhada para o Céu. Ali nos espera o prêmio da vitória.
Para o alcançarmos temos de lutar. Uma luta dentro de nós. É o bom combate da fé, de que fala S.Paulo na segunda leitura de hoje.
Na Santa Missa vimos renovar o nosso empenho por ser santos e enchendo-nos da força de Cristo.

Evangelho (Lc 18,9-14)
Domingo, 27 de outubro de 2013.


Naquele tempo, Jesus contou esta parábola para alguns que confiavam na sua própria justiça e desprezavam os outros:

“Dois homens subiram ao Templo para rezar: um era fariseu, o outro cobrador de impostos.

O fariseu, de pé, rezava assim em seu íntimo: ‘Ó Deus, eu te agradeço porque não sou como os outros homens, ladrões, desonestos, adúlteros, nem como este cobrador de impostos. Eu jejuo duas vezes por semana, e dou o dízimo de toda a minha renda’.

O cobrador de impostos, porém, ficou à distância, e nem se atrevia a levantar os olhos para o céu; mas batia no peito, dizendo: ‘Meu Deus, tem piedade de mim que sou pecador!’

Eu vos digo: este último voltou para casa justificado, o outro não. Pois quem se eleva será humilhado, e quem se humilha será elevado”.

Baixe aqui a Homilia


domingo, 20 de outubro de 2013
A formação comunitária

A formação comunitária



A formação comunitária possui a missão de formar;  zelar pela vida vocacional espiritual, fraterna e apostólica dos membros da comunidade. Isto deve ser feito através do testemunho, da animação, do acompanhamento dos membros da comunidade fora comunitária e pessoal. Contata-se assim, que participar da formação comunitária não é, portanto, uma função, ou seja, algo que se tenha que cumprir ou que fazer cumprir, mais algo a ser vivenciado, uma enorme responsabilidade dada por Deus.

O responsável pela formação comunitária deve ser alguém que manifeste sua feliz pertença, a Deus e à comunidade expressando, por uma vivencia alegre, seu desejo de fazer a vontade de Deus, acolhendo as bênçãos e renuncias que fazem parte desse chamado. Através dessa vivencia, à,  anima a vida comunitária levando-a à fidelidade. É ainda alguém que tem uma profunda identidade com o carisma e que compreende a sua missão como oportunidade de dar provas de amor a Deus.
 Amar o irmão é uma maneira concreta de manifestarmos o quanto se ama o Senhor, amando aqueles a que tanto ele ama e por quem ele deu a sua própria vida. como não dar a vida por aquele a quem Jesus a deu? É vontade de Deus o transbordamento de amor sobre aqueles que ele ama. Ao viver o amor incondicional a Jesus, o responsável pela formação comunitária acolherá cada irmão escutando-o aceitando-o, pela presença e oração, humana espiritual vocacional.
  Por meio de uma autentica vida de oração o responsável deixar-se-á amar por Deus e desejará amar cada irmão como ele mesmo é amado. O seu amor para com os irmãos deve ser reflexo de sua intimidade com Deus; O senhor deseja  que seus filhos deem aquilo que recebe dele sabendo que isto não empobrecerá, mas, pelo contrário, os enriquecera aos olhos daquele que os ama.
O responsável pela formação é alguém que sabe que ainda não está pronto, mais que se reconhece como processo formativo como os demais irmão. Ele cresce em autoconhecimento e na aceitação de si e, por isso, leva cada irmão a viver com serenidade o seu próprio itinerário. Não torna tensa a vida comunitária com exigências desnecessárias, impaciências, intolerâncias, por que em si mesmo tem aprendido que Deus é o primeiro agente da formação, e  tudo realiza com sabedoria e amor, progressivamente. Respeita o ritmo de cada irmão e, sem tensão de resultados, leva-o a dar passos concretos na doação de si para a edificação do corpo comunitário.                                                                                                                                                                       

Adriano Silva - Co Fundador Comunidade Católica Filhos de Sião.
Homilia do 29° Domingo do Tempo Comum

Homilia do 29° Domingo do Tempo Comum



Homilia (MP3) do 29° Domingo do Tempo Comum, Monsenhor Rômulo, Paróquia de São Manuel do Marco_CE.

Na liturgia de hoje, o Senhor nos convida à oração perseverante. Ele,que cuida de nossa vida todo tempo, dispõe-se a atender às nossas súplicas, fazendo justiça aos injustiçados.

Evangelho (Lc 18,1-8)
Domingo, 20 de outubro de 2013.


Naquele tempo, Jesus contou aos discípulos uma parábola, para mostrar-lhes a necessidade de rezar sempre, e nunca desistir, dizendo:

”Numa cidade havia um juiz que não temia a Deus, e não respeitava homem algum. Na mesma cidade havia uma viúva, que vinha à procura do juiz, pedindo: ‘Faze-me justiça contra o meu adversário!’

Durante muito tempo, o juiz se recusou. Por fim, ele pensou: ‘Eu não temo a Deus, e não respeito homem algum. Mas esta viúva já me está aborrecendo. Vou fazer-lhe justiça, para que ela não venha a agredir-me!’”

E o Senhor acrescentou: “Escutai o que diz este juiz injusto. E Deus, não fará justiça aos seus escolhidos, que dia e noite gritam por ele? Será que vai fazê-los esperar?

Eu vos digo que Deus lhes fará justiça bem depressa. Mas o Filho do homem, quando vier, será que ainda vai encontrar fé sobre a terra?”

Baixe aqui a Homilia

segunda-feira, 14 de outubro de 2013
Homilia do 28° Domingo do Tempo Comum

Homilia do 28° Domingo do Tempo Comum



Homilia (MP3) do 28° Domingo do Tempo Comum, Monsenhor Rômulo, Paróquia de São Manuel do Marco_CE.
Jesus, usa de Misericórdia para com os dez leprosos, dando exemplo aos discípulos da caridade, assim os faz entender que a  salvação se estende a todos, até para aqueles mais pecadores e excluídos da sociedade.
Celebramos hoje a Solenidade de Nossa Senhora Aparecida, Padroeira do Brasil.

Evangelho - Lc 17,11-19
Domingo, 13 de outubro de 2013.

Aconteceu que, caminhando para Jerusalém, Jesus passava entre a Samaria e a Galiléia.
Quando estava para entrar num povoado,dez leprosos vieram ao seu encontro.
Pararam à distância,e gritaram: 'Jesus, Mestre, tem compaixão de nós!'
Ao vê-los, Jesus disse:
'Ide apresentar-vos aos sacerdotes.'Enquanto caminhavam, aconteceu que ficaram curados.
Um deles, ao perceber que estava curado,voltou glorificando a Deus em alta voz;
atirou-se aos pés de Jesus, com o rosto por terra,
e lhe agradeceu. E este era um samaritano.
Então Jesus lhe perguntou: 'Não foram dez os curados?
E os outro nove, onde estão? Não houve quem voltasse para dar glória a Deus,
a não ser este estrangeiro?' E disse-lhe: 'Levanta-te e vai! Tua fé te salvou.'


Baixe aqui a Homilia



terça-feira, 8 de outubro de 2013
Louvar-te 2013

Louvar-te 2013




A Comunidade Católica Filhos de Sião, apresenta... Louvar-te  e Talento Sião.
Será neste sábado 12 de outubro, a partir das 19H na Praça da Prefeitura de Marco, com as atrações: Show do Ministério Filhos de Sião, apresentação de  danças do Projeto Pequeno Gigante, apresentações artísticas e ainda teremos stands com talentos confeccionados pelos membros da Comunidade.
Venha e traga sua turma...estamos esperando por você!

Realização: Comunidade Filhos de Sião, Projeto Criança Pequeno Gigante.
domingo, 6 de outubro de 2013
Homilia do 27° Domingo do Tempo Comum

Homilia do 27° Domingo do Tempo Comum



Homilia (MP3) do 27° Domingo do Tempo Comum - Mons.Rômulo, Paróquia de São Manuel do Marco_CE.
Reunimo-nos para reavivar em nós a chama do amor e da fé operante e transformadora, que nos compromete com o projeto de Jesus. O olhar da fé nos mostra o rosto sofrido de homens e mulheres desorientados pelas injustiças e necessitados do serviço e da missão da igreja.

Evangelho (Lc 17,5-10)
Domingo, 6 de Outubro de 2013.

Naquele tempo, os apóstolos disseram ao Senhor: “Aumenta a nossa fé!”
O Senhor respondeu: “Se vós tivésseis fé, mesmo pequena como um grão de mostarda, poderíeis dizer a esta amoreira: ‘Arranca-te daqui e planta-te no mar’, e ela vos obedeceria.
Se algum de vós tem um empregado que trabalha a terra ou cuida dos animais, por acaso vai dizer-lhe, quando ele volta do campo: ‘Vem depressa para a mesa?’
Pelo contrário, não vai dizer ao empregado: ‘Prepara-me o jantar, cinge-te e serve-me, enquanto eu como e bebo; depois disso tu poderás comer e beber?’ Será que vai agradecer ao empregado, porque fez o que lhe havia mandado?
Assim também vós: quando tiverdes feito tudo o que vos mandaram, dizei: ‘Somos servos inúteis; fizemos o que devíamos fazer’”.




Baixe aqui a Homilia


quinta-feira, 3 de outubro de 2013
Francisco, o jovem de Assis

Francisco, o jovem de Assis



Francisco nasceu em 1182 em Assis, na Itália. Seus pais eram Pedro e Dona Pica de Bernardone,  ricos e comerciantes. O pai era um homem de negócios, vivia preocupado com o prestigio da família. Era ganancioso. Além disso, sonhava com um titulo de nobreza para o filho.
Os jovens naquele tempo, vivendo numa cidade como Assis eram fascinados pelos os ideais militares. Francisco e os amigos de farra eram fãs das historias e as aventuras  do rei Arthur.
Se o pai, Pedro, ganhava para acumular, Francisco ganhava para repartir. Aprendeu com a mãe a gentileza e a bondade do coração, o gosto pelas coisas belas, a paixão pela musica, a poesia, a alegria de viver.
A oportunidade não tardou a surgir para Francisco mostrar a sua capacidade de cavaleiro, de soldado. Foi em 1202, quando ele tinha 20 anos. As cidade naquele tempo viviam em constantes disputas.
Francisco e os companheiros de festas, que igualmente sonhavam com as façanhas e honras militares, não perderam tempo e participaram da guerra. Em sua maioria esses jovens foram feitos  prisioneiros. Entre eles Francisco. amargou um ano de cadeia, onde adoeceu. Aí teve tempo  para refletir sobre a fragilidade das coisas terrenas e a brevidade da vida. Não perdeu porem o habitual bom humor, animando a todos.
Após um ano de prisão, foi libertado, retornando a Assis. Demorou pouco tempo, ate que Francisco tomasse consciência do emaranhado  de vaidades, desejos de grandezas, de honra e gloria mundana que ainda o mantinha aprisionado.
Francisco continua nesta vidinha “ até que Deus o olhou do céu”, como diz Thomaz de Celano, o confrade e biografo. Até esta época Francisco ignorava os planos que Deus lhe reservara. Não tinha ainda adquirido o gosto pelas as coisas de Deus.

Que queres que eu faça?

Mais ou menos três anos após ter tomado parte da guerra entre Assis e Perugia, Francisco demonstrava não ter aprendido a lição. Estava sempre pronto para outra. Era o ano de 1205. Bem disposto e brincalhão, como sempre, já montado em seu cavalo, falava para quem o quisesse ouvir: “voltarei como príncipe!”. Mas o jovem Francisco não vai longe. Em Espoleto, onde passa a noite, em sonho ouve Deus lhe dizer, em tom familiar:
_ Francisco, quem pode fazer mais por ti? O Senhor ou o servo?
_Naturalmente que é o Senhor, responde Francisco.
_ Por que, então, abandonas o Senhor para seguir o servo?
_ Senhor que queres que eu  faça?, pergunta Francisco, com certa impaciência:
_ Volta para Assis, lá será dito o que fazer.
Não deve ter sido fácil o retorno a Assis. Estava contrariando o projeto de conseguir o titulo de nobreza. Desafiava os sorrisos de deboche e a ironia de vizinhos, os comentários maliciosos, a chateação do pai, e levava muitas duvidas no coração. Trazia, contudo, a esperança e a certeza de que Deus tinha algo de especial para ele.
Iniciava-se um tempo de busca, de escuta, de silencio, de oração, de paciência e de ativa espera. Pode-se dizer que até então Francisco era um cristão “normal” como tantos outros: fazia alguma oração; ia à Missa aos domingos; dava esmolas aos pobres, etc.
Não havia, porém buscado apaixonadamente conhecer e pôr em prática a vontade de Deus.
Deus possui uma paciência infinita. Revelou-se lentamente a Francisco, sem pressa, passo a passo.

O amargo que se torna doce

Francisco não ficou sentado, de braços cruzados, à espera do que Deus lhe queria revelar. Buscou descobrir a vontade Dele nos sinais, nos acontecimentos e, sobretudo, gastou os joelhos na oração, acompanhada da ajuda fraterna aos pobres. Isso aguçou em Francisco a docilidade, a sensibilidade. Tudo lhe falava.
Procurava não gastar tempo com futilidades em que Deus certamente não se encontra. Andava ansioso à procura da vontade de Deus.
Um dia, andando a cavalo nos arredores de Assis, Francisco inesperadamente depara com um leproso, que, o olha assustado. O primeiro impulso de Francisco foi galopar para longe, fugir.
Tinha nojo só de ver essas pessoas deformadas pela lepra. Francisco quis jogar-lhe alguma moeda, como já havia feito antes com outros leprosos. Misteriosa força interior, contudo, impeliu-o a apear do cavalo e ir ao encontro do leproso para abraçar e beijar aquele irmão rejeitado por todos. Foi isto que ele fez.
Esse foi o momento especial da graça de Deus que lhe revolucionou a vida e deu o empurrão decisivo rumo à vocação e conversão do jovem de Assis.
Com esse gesto, Francisco sepultou, de vez, o medo, o comodismo de quem não consegue aceitar o Evangelho integralmente. O gesto de Francisco aproximou-o decisivamente do Cristo pobre e sofredor, presente no irmão leproso. O leproso foi quem ajudou Francisco a definir a sua vocação. Deus se revelou através de alguém que, em princípio, não tinha nada para oferecer.
 Ao abraçá-lo e beijá-lo, Francisco foi presenteado. O encontro com o leproso, tornou-se para Francisco,  a chave para compreender o Evangelho. O infeliz era a lembrança viva do Cristo crucificado, o encontro com o Cristo que sofre em cada homem e mulher.
Anos mais tarde, antes de morrer, Francisco escreveu, no testamento, a respeito dessa experiência:
“Foi assim que o Senhor me concedeu a mim, Frei Francisco, iniciar uma vida de penitência: como eu estivesse em pecado, parecia-me por demais insuportável olhar para os leprosos. Mas o Senhor conduziu-me para o meio deles e eu tive misericórdia para com eles. E, ao afastar-me deles, justamente o que antes me parecia amargo converteu-se para mim em doçura da alma e do espírito”.
A partir daí, Francisco já se transformara. Sentia no coração uma alegria, uma paz difícil de expressar. Sentia-se mais leve, mais próximo de Deus. Encontrara o Cristo vivo, sofredor, naquele irmão leproso.

Excertos do livro Francisco, o irmão sempre alegre

Frei Jorge Egidio Hartmann, OFM
quarta-feira, 2 de outubro de 2013
Formação para as Famílas - José Daniel

Formação para as Famílas - José Daniel





Pregação (MP3) de José Daniel (Comunidade Aliança de Paz) no Encontro para as famílias na Casa da Paz.
Tema: Fé e conversão.

Estamos vivenciando o Ano da Fé, e sabemos que para  ter fé é necessário ouvir a palavra de Deus.
Ler, ouvir e viver a palavra é algo essencial na vida do Cristão.

Em verdade vos digo que, se tiverdes fé como um grão de mostarda, direis a este monte: Passa daqui para acolá, e há de passar; e nada vos será impossível.
Mateus 17:20


A fé provém da palavra, quem não escuta a palavra não vai ter fé.

Como, pois, invocarão aquele em quem não creram? e como crerão naquele de quem não ouviram? e como ouvirão, se não há quem pregue?
E como pregarão, se não forem enviados?

Romanos 10:14-15


Baixe aqui a Pregação





Encontro para as famílias com José Daniel e Juliana Kassab - Casa da Paz  21 e 22 de Setembro de 2013
Acampamento Vocacional Diocesano

Acampamento Vocacional Diocesano




Dia 5 de outubro a partir das 17:30H na Praça São Francisco em Sobral_CE.

Teremos celebração Eucarística presidida por Dom Odelir José Magri, Bispo da Diocese de Sobral e Sacerdotes da Diocese, logo depois haverá um grande Show Católico com a banda Missionário Shalom.
Não perca, estaremos celebrando a abertura do Ano Vocacional Diocesano.

* Doe 1Kg de alimento não perecível

Realização: Pastoral Vocacional da Diocese de Sobral


..
terça-feira, 1 de outubro de 2013
A Santa das pequenas coisas

A Santa das pequenas coisas



Celebramos hoje 1° de Outubro, a memória de Santa Terezinha do Menino Jesus e da Sagrada Face, Baluarte da  Comunidade Católica Filhos de Sião.

Na noite de dia 02 de janeiro de 1873, nasce em Alençon (França) a nona e última filha do casal Luís Martin e Zélia Guérin. Aos 09 de abril de 1888, entra no Carmelo de Lisieux e morre no dia 30 de setembro de 1897. Em 17 de maio de 1925, Pio XI preside a cerimônia de canonização de Teresinha Martin, na presença de 33 cardeais, 250 bispos e milhares de fiéis. Em 1927, ainda o Papa Pio XI a declara “Padroeira principal das Missões em todo Universo em pé de igualdade com S. Francisco Xavier”. Em 1997, a santa da simplicidade foi declarada Doutora da Igreja. Eis aí um resumo das principais datas de sua vida, veremos agora o porquê deste “furacão de glória”.

O Espírito Santo conduziu a jovem Teresa a redescobrir a realidade mais fundamental do Evangelho: Deus é verdadeiramente nosso Pai e nós somos seus filhinhos, e com o Espírito podemos nos dirigir com confiança ao Deus amoroso e cheio de Misericórdia, e falar-lhe como Jesus falava: Abbá, Paizinho! Assim é que, conhecendo a verdadeira face de Deus, Teresinha, cujo “amor a Deus crescera com ela à sombra do claustro, a ponto de se tornar um abismo cuja profundidade não era possível calcular”, se lança com toda liberdade em um caminho marcado acima de tudo pela confiança sem limites no Amor Misericordioso de Deus e neste caminho entende que a única coisa que vale aos olhos de Deus é o amor: amor a Deus e ao próximo.
Nesta via, marcada pela confiança a Deus e abandono à sua Vontade Santa, qualquer pessoa, por mais fraca que fosse, poderia seguir sem se importar em acumular méritos, mas esperando receber tudo de Deus.

Santa Teresinha sente-se inspirada a se oferecer “como vítima de holocausto ao Amor Misericordioso de Deus” para que a sua vida se transforme num ato perfeito de amor a Deus, e para que seja fecunda no sentido de fazer Jesus conhecido e amado. A partir de então, o amor fraterno e o zelo apostólico de Teresa se tornam cada dia maiores. Sente-se inflamada pelo desejo de salvação das almas e seu zelo pela Igreja e pelas Missões no mundo inteiro a consomem. Tornara-se a Irmã universal, todos os homens são seus irmãos, especialmente os mais pecadores, os ateus, os infiéis. Luta com todas as suas armas para salvá-los.
Suas armas são todas espirituais: a oração, a humildade de coração, a castidade, o sacrifício, a pobreza, a ternura que dispensava às irmãs de sua comunidade. Gostaria de ser tudo para poder servir a todos; queria ser mártir para dar testemunho de Jesus com a própria vida; queria ser apóstola e missionária para pregar o nome de Jesus em toda a Terra; queria ser profeta e doutora para poder instruir as pessoas sobre a Verdade; gostaria de ser guerreira para lutar por Jesus, e ser sacerdote para poder dá-lo às almas.
Era o amor a Deus que incendiava assim o coração da pobre Teresa e que veio mostrar a ela que a única maneira de ser tudo para todos, era o Amor. Ousada como sempre, Santa Teresinha partilha que “a Igreja tinha coração e que este era ardente de amor… o amor abrange todas as vocações e alcança todos os lugares…”, e sem a menor cerimônia ela se apossa de sua vocação: Minha vocação é o amor”, “serei o amor… Assim serei tudo…”.
E é impressionante vê-la escrever no último ano de sua vida: “Agora compreendo que a caridade perfeita consiste em suportar os defeitos dos outros, em não se admirar de suas fraquezas, em edificar-se com os mínimos atos de virtude que se lhes veja praticar; antes de tudo aprendi que a caridade não deve ficar estanque no fundo do coração”. Depois de uma vida toda edificada no amor, o Espírito Santo vem lhe ensinar ainda que o maior, o mais perfeito, o mais verdadeiro amor é o de Jesus, e que é preciso que ela ame seus irmãos, suas irmãs como o próprio Jesus os ama.

Edwiges  Moura

Fonte: Edições Shalom


segunda-feira, 30 de setembro de 2013
XII Congresso Estadual RCC Ceará

XII Congresso Estadual RCC Ceará


XXI Congresso Estadual da Renovação Carismática Católica do Ceará.
 Esta é a Vitória que vence o mundo: a nossa Fé!
I Jo 5, 4b

Por um Ceará de Fogo!
Dias 19 e 20 de Outubro de 2013, no Colégio Salesiano Dom Lustosa em Fortaleza_CE.
Presenças de: Kátia Zavaris; Presidente do Cons. Nac da RCC Brasil, Salvatore Martines; Presidente da RCC Itália, Onazir Conceição; Secretário geral da RCC Brasil, Dom Rosalvo; Arcebispo da Arquidiocese de Fortaleza e Dom João Costa; Bispo da Diocese de Iguatu.
Inscrições; 25,00
Informações: 97600202
Hospedagem/caravanas falar com Wellington
Contatos: (85) 8756 3534 (OI)
          (85) 9972 6564 (TIM)


Realização; RCC Ceará
domingo, 29 de setembro de 2013
Homilia do 26° Domingo do Tempo Comum

Homilia do 26° Domingo do Tempo Comum



Homilia(MP3) do 26° Domingo do Tempo Comum - Mons. Rõmulo, Paróquia de São Manuel do Marco_CE.
Celebramos hoje o dia da Bíblia, a palavra de Deus que penetra e realiza milagres em nossa vida.

Evangelho (Lc 16,19-31)
Domingo,29 de Setembro de2013.

Naquele tempo, Jesus disse aos fariseus: “Havia um homem rico, que se vestia com roupas finas e elegantes e fazia festas esplêndidas todos os dias.

Um pobre, chamado Lázaro, cheio de feridas, estava no chão, à porta do rico.1Ele queria matar a fome com as sobras que caíam da mesa do rico.

E, além disso, vinham os cachorros lamber suas feridas.

Quando o pobre morreu, os anjos levaram-no para junto de Abraão. Morreu também o rico e foi enterrado.

Na região dos mortos, no meio dos tormentos, o rico levantou os olhos e viu de longe a Abraão, com Lázaro ao seu lado.

Então gritou: ‘Pai Abraão, tem piedade de mim!

Manda Lázaro molhar a ponta do dedo para me refrescar a língua, porque sofro muito nestas chamas’.

Mas Abraão respondeu: ‘Filho, lembra-te que tu recebeste teus bens durante a vida e Lázaro, por sua vez, os males. Agora, porém, ele encontra aqui consolo e tu és atormentado. E, além disso, há um grande abismo entre nós; por mais que alguém desejasse, não poderia passar daqui para junto de vós, e nem os daí poderiam atravessar até nós’.

O rico insistiu: ‘Pai, eu te suplico, manda Lázaro à casa do meu pai, porque eu tenho cinco irmãos. Manda preveni-los, para que não venham também eles para este lugar de tormento’.

Mas Abraão respondeu: ‘Eles têm Moisés e os Profetas, que os escutem!’

O rico insistiu: ‘Não, Pai Abraão, mas se um dos mortos for até eles, certamente vão se converter’.

Mas Abraão lhe disse: ‘Se não escutam a Moisés, nem aos Profetas, eles não acreditarão, mesmo que alguém ressuscite dos mortos’”.

Baixe aqui a Homilia



terça-feira, 24 de setembro de 2013
Deus é Amor, Deus é Pai.

Deus é Amor, Deus é Pai.



  Muitos de nós temos ideias muito equivocadas de Deus e não era diferente no tempo de Jesus. Não se tinha a ideia de que " Deus é Amor", de que "Deus é Pai", não existia este conhecimento. E a partir de Jesus se vai revelando quem é Deus e quem é o Pai, e que tipo de amor é o Amor do Pai.
Talvez, como naquele tempo, muito de nós tenhamos ideias equivocadas do que é o amor e a paternidade, de quem é o Pai. Talvez muitos de nós tenhamos feridas a respeito da paternidade, a respeito do nosso próprio pai, talvez alguns nem conheceram o seu pai, talvez para alguns a imagem de pai seja uma imagem distante, que não expressa tanto afeto, tanta ternura, tanto amor. A imagem do pai seja uma imagem às vezes zangada ou cobradora. Mas Jesus veio nos dar uma imagem diferente do Deus que é Pai, porque corremos exatamente o risco de transferir a nossa relação com o pai da terra, para o nosso Pai do céu e assim não conseguimos experimentar a profundeza e a imensidão da bondade do Pai devido aos nossos traumas com nossos pai da terra.
E não é que nosso pai da terra tenha sido ruim, tenha sido mal, mas ele é um homem e na sua natureza, nas suas limitações, como nós também erra, também tem as suas fragilidades, as suas fraquezas.E é numa parábola conhecida por todos - a parábola do Filho Pródigo, onde Jesus vai descrevendo que tipo de Pai é Deus, que tipo de amor, este coração do Pai tem.
 E aí podemos compreendendo o nosso pai, por mais que ele seja maravilhoso, por mais que ele não tenha nos faltado - e nem sempre isso nos acontece porque ele é humano - ,ele é apenas uma figura pálida, como todos nós, na nossa humanidade somos, da figura do Pai Eterno, da figura de Deus e do Amor de Deus, de um amor infinito, de um amor sem medidas, de um amor que é sempre pronto a perdoar, de um amor que é sempre pronto a acolher, de um amor que é sempre pronto a trazer junto do seu coração, das suas entranhas e abraçar .

Moysés Azevedo
Trecho da palestra - Jovem, você quer ser meu discípulo?
ministradas em 2006 em um fórum
Fonte: Edições Shalom
Três pilares

Três pilares


Resumo da formação para comunidade de vida e comunidade de aliança, com Juliana Kassab, esposa de José Daniel da Comunidade Aliança de Paz.

Oração;  Vida de amor. 
Como é importante escrevermos nossa historia de salvação.
A alegria do fundador é ver os seus vivendo o carisma. viva melhor o que você vive. Escreva sua história de salvação.

Vida Fraterna; Eu sou o que sou diz Jesus e tu és o que não é, porque tu precisa do que eu tenho.
O homem maduro é sempre uma pessoa ferida.
Numa comunidade não pode ter o pecado instalado, cometer e cometer pecado,sempre a ferir os irmãos um a um.
Numa comunidade eu luto contra o pecado e não contra o meu irmão.
A vida fraterna provoca em mim, tanto aquilo que é bom,como aquilo que é ruim.
Não é a pessoa, é você, então olhe pra você e para o seu pecado.
Nós consagrados vivemos como ossos podres na beira da fonte,impedindo os outros de entrar.
A Missão;
Comunidade não é serviço paroquial, na vida de comunidade é para se dar tudo.
Obediência; Eu sou ordenado para alguém.
Renúncia: Pare de colocar empecilho, viver em comunidade é renúncia atrás de renúncia.
Aonde um consagrado for ele estará em missão,pois as pessoas precisão ver a luz.

Três coisas que os bispos esperam de uma comunidade;
Saiam de si mesmo; saiam sempre de missão em missão.
Coragem e ousadia; saiam correndo seguindo o sopro do Espírito Santo.
Fé,sem ser mais ou menos;Não distorcer o magistério da igreja, pois nem o papa pode mudar.
Irmãos não apoie o pecado, cessão não leva para o céu, não disterça tu o que é ser verdade.
Quem partilha cresce, ou você rasga sua alma ou não acontece a verdade.

Juliana Kassab - Comunidade Aliança de Paz

Encontro para Família - Casa da Paz.
Marco - 22 de Setembro de 2013
segunda-feira, 23 de setembro de 2013
A vida consagrada

A vida consagrada





Resumo da formação para comunidade de vida e comunidade de aliança, com Daniel da Comunidade Aliança de Paz.

Leia esta passagem e depois reflita no que mais tocou seu coração.
"Não acumulem para vocês tesouros na terra, onde a traça e a ferrugem destroem, e onde os ladrões arrombam e furtam.  Mas acumulem para vocês tesouros nos céus, onde a traça e a ferrugem não destroem, e onde os ladrões não arrombam nem furtam. Pois onde estiver o seu tesouro, aí também estará o seu coração."
 "Os olhos são a candeia do corpo. Se os seus olhos forem bons, todo o seu corpo será cheio de luz.  Mas se os seus olhos forem maus, todo o seu corpo será cheio de trevas. Portanto, se a luz que está dentro de você são trevas, que tremendas trevas são!"
"Ninguém pode servir a dois senhores; pois odiará um e amará o outro, ou se dedicará a um e desprezará o outro. Vocês não podem servir a Deus e ao Dinheiro."
(MT  6, 19-24)
O que você notou aqui foi o que sai dos lábios Santos do teu amado. E se você acredita, isso faz a diferença.
A quem tu buscas?
Uma pessoa que não tem coragem de perguntar é um ignorante.
_ O que tu queres dizer pra mim Senhor?
 O que eu quero?
_Se tua dependência não for de um pastor,  tu se distanciará
Em que eu creio?
_ Em Cristo Jesus; Ele venceu o pecado e a morte; o salário do pecado é a morte.
Por ter vencido nossos pecados ele ressuscitou.
_Jesus tem a capacidade de em você, vencer o teu pecado mais terrível.

 Sobre nossa Senhora:

Porque o anjo não pronunciou o nome de Nossa Senhora?
_O anjo não falou o nome de Maria,  porque lá no céu ela é a mulher cheia de graça.
Se você não for cheia de graça você perderá  a sua identidade, a sua vocação, porque as suas fraquezas vão entrar.
Se um consagrado não for católico, vai à ruína.

Pois onde estiver o seu tesouro, aí também estará o seu coração;

Nada que nasce da desobediência é bom, certo!
Quando um membro começa a duvidar do líder, logo depois ele vai duvidar de Deus.
_O consagrada precisa da santa derrota da cruz, porque a santa derrota da cruz leva ao crucificado. .
O amor de Deus é igual um ladrão, quando alguém o encontra ele rouba tudo. Você perde tudo , mas ganha tudo (inestimável).
Perder é ganhar e muitas vezes ganhar é perder.
Não pode ser motivo da tua tempestade o motivo da tua tristeza
A tua barca encalhada era tua vida sem Deus.
Quem encontra o Amor de Deus não suporta dar pouco pra Ele.

Os olhos são a candeia do corpo. Se os seus olhos forem bons, todo o seu corpo será cheio de luz;

O olho é a janela do coração. O olhar é algo profundo e é o que transmite a luz de Deus.
Se tu que  ver somente coisas ruins o teu coração vai se contaminar.
_Que eu  enxergue as coisas aos olhos de Jesus.
Deus tem um olhar de esperança sobre mim, temos que ter um olhar de compaixão para com o irmão.
A maior dificuldade da igreja é curar as feridas e aquecer os corações, o que falta na gente é proximidade.

 José Daniel - Comunidade Aliança de Paz
Encontro para Família - Casa da Paz.
Marco - 22 de Setembro de 2013
 Homilia do 25° Domingo do Tempo Comum

Homilia do 25° Domingo do Tempo Comum




Homilia (MP3) do 25° Domingo do Tempo Comum, Mons. Rômulo - Paróquia de São Manuel do Marco_CE.
Seguir Jesus implica romper com a ganância,e por os nossos recursos a serviço da construção da fraternidade de todos.


 Evangelho (Lc 16,1-13)
Domingo, 22 de Setembro de 2013.


Naquele tempo, Jesus dizia aos discípulos: “Um homem rico tinha um administrador que foi acusado de esbanjar os seus bens. Ele o chamou e lhe disse: ‘Que é isto que ouço a teu respeito? Presta contas da tua administração, pois já não podes mais administrar meus bens’.

O administrador então começou a refletir: ‘O senhor vai me tirar a administração. Que vou fazer? Para cavar, não tenho forças; de mendigar, tenho vergonha. Ah! Já sei o que fazer, para que alguém me receba em sua casa, quando eu for afastado da administração’.

Então ele chamou cada um dos que estavam devendo ao seu patrão. E perguntou ao primeiro: ‘Quanto deves ao meu patrão?’ Ele respondeu: ‘Cem barris de óleo!’ O administrador disse: ‘Pega a tua conta, senta-te, depressa, e escreve cinquenta!’

Depois ele perguntou a outro: ‘E tu, quanto deves?’ Ele respondeu: ‘Cem medidas de trigo’. O administrador disse: ‘Pega a tua conta e escreve oitenta’.

E o senhor elogiou o administrador desonesto, porque ele agiu com esperteza. Com efeito, os filhos deste mundo são mais espertos em seus negócios do que os filhos da luz. E eu vos digo: usai o dinheiro injusto para fazer amigos, pois, quando acabar, eles vos receberão nas moradas eternas.

Quem é fiel nas pequenas coisas também é fiel nas grandes, e quem é injusto nas pequenas também é injusto nas grandes. Por isso, se vós não sois fiéis no uso do dinheiro injusto, quem vos confiará o verdadeiro bem? E se não sois fiéis no que é dos outros, quem vos dará aquilo que é vosso?

Ninguém pode servir a dois senhores; porque ou odiará um e amará o outro, ou se apegará a um e desprezará o outro. Vós não podeis servir a Deus e ao dinheiro”.


Baixe aqui a Homilia

sábado, 14 de setembro de 2013
O papel do acompanhante pessoal

O papel do acompanhante pessoal




 A pessoa do acompanhador pessoal e seu papel no contexto da comunidade.
 João Paulo II apresenta uma síntese dos requisitos necessários para ser um bom formador (entenda-se aqui primordialmente, não só os responsáveis pela formação e acompanhadores pessoais, mais também toda a equipe envolvida no processo formativo): " Os jovens e as jovens tem necessidade sobretudo de mestres que sejam para eles pessoas totalmente de Deus, conhecedores respeitosos do coração humano e dos caminhos do Espírito, capazes de responder ás suas exigências de sempre crescente interioridade, de experiências de Deus, de fraternidade e de iniciação a missão. Formadores que saibam educar para o discernimento, docilidade, obediência a leitura dos sinais dos tempos e da necessidade do povo, e para responder a esses sinais com solicitude e audácia".
Os acompanhadores pessoais têm por missão, acompanhar o formando periodicamente, com objetivo de orientá-lo pela oração e partilha, a  discernir os sinais da vontade de Deus para sua vida e a uma autêntica vivencia da vocação. É alguém que deve ter disponibilidade para cuidar do outro, sendo assim necessário investir na sua formação e em todos os aspectos e níveis da vida humana, vocacional e espiritual de seu formador. (...)

 Adriano Silva - Co fundador, Comunidade. Filhos de Sião
quarta-feira, 11 de setembro de 2013
Congresso Diocesano

Congresso Diocesano


CONGRESSO DIOCESANO DA RENOVAÇÃO CARISMÁTICA CATÓLICA DE SOBRAL/CE
Presença de Padre Nilso Motta
Dias 28 e 29 de setembro de 2013
Apartir das 8H da manhã
Local: CETRESO
(vizinho à UVA)
em Sobral_CE

Tema: "ESTA É A VITÓRIA QUE VENCE O MUNDO: A NOSSA FÉ" (1Jo 5, 4b)

Inscrição - R$ 7,00
Inscrição com hospedagem ( sem alimentação) - R$ 12,00

Realização: Renovação Carismática Católica da Diocese de Sobral.

domingo, 8 de setembro de 2013
Homilia do 23° Domingo do Tempo Comum

Homilia do 23° Domingo do Tempo Comum



Homilia (MP3) do 23° Domingo do Tempo Comum, Monsenhor Rômulo, Paróquia de São Manuel do Marco_CE.
Nesta liturgia Jesus nos desafia a segui-lo, deixando de lado tudo o que não condiz com seu projeto.
Decidir-se a caminhar com ele significa discernir e escolher, com sabedoria, os valores que fazem nascer a nova sociedade. Atentos a proposta do Senhor, somos chamados a estabelecer e assumir prioridades, colaborando para a construção do reino de Deus.

Evangelho (Lc 14,25-33)
Domingo, 08 de Setembro de 2013.


Naquele tempo, grandes multidões acompanhavam Jesus. Voltando-se, ele lhes disse: “Se alguém vem a mim, mas não se desapega de seu pai e sua mãe, sua mulher e seus filhos, seus irmãos e suas irmãs e até da sua própria vida, não pode ser meu discípulo. Quem não carrega sua cruz e não caminha atrás de mim, não pode ser meu discípulo.

Com efeito: qual de vós, querendo construir uma torre, não se senta primeiro e calcula os gastos, para ver se tem o suficiente para terminar? Caso contrário, ele vai lançar o alicerce e não será capaz de acabar. E todos os que virem isso começarão a caçoar, dizendo: ‘Este homem começou a construir e não foi capaz de acabar!’

Ou ainda: qual o rei que ao sair para guerrear com outro, não se senta primeiro e examina bem se com dez mil homens poderá enfrentar o outro que marcha contra ele com vinte mil? Se ele vê que não pode, enquanto o outro rei ainda está longe, envia mensageiros para negociar as condições de paz.

Do mesmo modo, portanto, qualquer um de vós, se não renunciar a tudo o que tem, não pode ser meu discípulo!”

Baixe a Homilia




quinta-feira, 5 de setembro de 2013
SEL 2013 - Faça-se

SEL 2013 - Faça-se



Queridos amigos, O Sonho Eterno De Liberdade - Sel 2013, vai acontecer nos dias 06, 07 e 08 de Setembro de 2013, o tema dessa ano é FAÇA-SE, será todo voltado a Virgem Maria... Deus tem prometido prodígios e milagres àqueles que crêem.... O palestrante do Evento é Alberto Maria, que teve um testemunho extraordinário com Nossa Senhora. Teremos Missas, Shows (Irmã Kelly Patrícia, Filhos de Sião e Coração de Maria), música eletrônica com o DJ wellington arruda, muita fraternidade, oração, curas, libertações, avivamento, novas amizades e muito mais... Público alvo: corações jovens

Local: Centro de Convenções de Sobral

Inscrições do SEL: R$ 15,00

Blusas do SEL: R$ 15,00

Rifa do SEL: R$ 2,00 (tablet - será sorteado no domingo)

Ao final do SEL poderemos contemplar a glória de Deus em nossas vidas "feliz és tu que acreditastes, pois ao de se cumprir todas as promessas da parte de Deus"



Fonte: Eventos SEL
segunda-feira, 2 de setembro de 2013
Encontro para a Família

Encontro para a Família



"A família é considerada uma instituição responsável por promover a educação dos filhos e influenciar o comportamento dos mesmos no meio social. A família foi estabelecida por Deus como a unidade básica da sociedade."

A Comunidade Filhos de Sião realiza nos dias 21 e 22 de Setembro o "ENCONTRO PARA A FAMÍLIA " com o tema: Minha Família é uma bênção. 
Participação de Daniel da Com. Aliança de Paz e Com. Filhos de Sião.
Receberemos as relíquias do Beato João Paulo  II e da Beata Helena Guerra.
Início as 14h, na Casa da Paz.
Sinta-se convidado e acolhido para viver esta experiência com Deus.
domingo, 1 de setembro de 2013
Homilia do 22° Domingo do Tempo Comum

Homilia do 22° Domingo do Tempo Comum



Homilia (MP3) do 22° Domingo do Tempo Comum - Mons. Rômulo, paróquia de São Manuel do Marco_CE.
Somos tentados a olhar o cristianismo e as suas exigências como coisas ultrapassadas e antiquadas.

Fala-se de «tempos novos» como pretexto para alimentar a preguiça nos deveres religiosos e para ressuscitar vícios que já dominaram noutros tempos. Em nome do progresso fala-se do aborto, do divórcio, da eutanásia e de outras aberrações da moral.

A palavra «moderno – ser moderno, ser atual –, dá a volta à cabeça de algumas pessoas e afasta-as do caminho da salvação.

Para ser moderno, atual, é preciso andar mais depressa, acelerar o passo, porque temos de acompanhar Jesus Cristo nesta viagem para o Céu. Bastará lembrar, para o compreender, a vida do Servo de Deus João Paulo II e de Bento XVI.

A isto nos convida toda a Liturgia da Palavra deste 22° Domingo do tempo comum.

Evangelho (Lc 14,1.7-14)
Domingo 01 de Setembro de 2013.

Aconteceu que, num dia de sábado, Jesus foi comer na casa de um dos chefes dos fariseus. E eles o observavam. Jesus notou como os convidados escolhiam os primeiros lugares. Então contou-lhes uma parábola:

“Quando tu fores convidado para uma festa de casamento, não ocupes o primeiro lugar. Pode ser que tenha sido convidado alguém mais importante do que tu, e o dono da casa, que convidou os dois, venha te dizer: ‘Dá o lugar a ele’. Então tu ficarás envergonhado e irás ocupar o último lugar.

Mas, quando tu fores convidado, vai sentar-te no último lugar. Assim, quando chegar quem te convidou, te dirá: ‘Amigo, vem mais para cima’. E isto vai ser uma honra para ti diante de todos os convidados. Porque quem se eleva, será humilhado e quem se humilha, será elevado”.

E disse também a quem o tinha convidado: “Quando tu deres um almoço ou um jantar, não convides teus amigos, nem teus irmãos, nem teus parentes, nem teus vizinhos ricos. Pois estes poderiam também convidar-te e isto já seria a tua recompensa. Pelo contrário, quando deres uma festa, convida os pobres, os aleijados, os coxos, os cegos. Então tu serás feliz! Porque eles não te podem retribuir. Tu receberás a recompensa na ressurreição dos justos”.


Baixe aqui a Homilia


quinta-feira, 29 de agosto de 2013
O que é o Rosário

O que é o Rosário



Toda pessoa humana gosta de receber presentes, gosta de receber elogios, sente-se bem quando alguém lhe dirige uma palavra de amor. A maneira mais fácil de manifestar carinho é uma rosa. Maneira simples e sublime. A rosa economicamente, significa pouco. Mas sua mensagem é tudo. É um mistério da natureza humana um pouco de divino em algo natural.
Se expressamos um amor muito grande quando oferecemos uma rosa a alguém, nosso amor será maior quando oferecemos mais rosas, quando mais demonstrações de carinho fizermos. Porque amamos nossa Mãe, a Mãe de Cristo, a Mãe da Igreja, nós gostamos de oferecer rosas, gostamos de elogiar: "Ave Maria, cheia de graça...". São rosas que entregamos a nossa Mãe. O Rosário é uma coroa de rosas. Ao mesmo tempo em que saudamos e prestamos uma homenagem à Mãe de Deus e nossa, recordamos toda a história de nossa salvação, meditando nos fatos e relembrando as pessoas mais importantes dentro do plano que Deus estabeleceu para nossa salvação em Cristo.

Família Igreja Doméstica (18° edição).
terça-feira, 27 de agosto de 2013
O que é a formação pessoal?

O que é a formação pessoal?





É um instrumento utilizado por Deus para levar a pessoa a descobrir no Espírito Santo o seu itinerário espiritual e assim à luz de Deus cumprir a vontade divina. A formação, portanto, deve ajudar o formando a ser um com Cristo.
A formação deve ser o canal pelo qual Cristo se utiliza para da a vitória ao homem espiritual sobre o homem carnal. A formação passa pela medida da humilhação. A cruz é uma enorme humilhação. Não existe itinerário espiritual sem mortificação. A formação deve nos levar de morte em morte, dos afetos, das paixões desordenadas, dos medos, da vontade própria e de ressurreição em ressurreição. O formando vai tornando-se com Cristo com esposa de Cristo, por que aceita ser humilhando como Ele até a morte. Não há verdade sem humilhação. O carisma da formação é o que mais que se aproxima do carisma de fundação porque ele deve zelar pelo carisma da comunidade através da delegação da graça de mediação. Isto foi dado por Deus não como um carisma de fundação , mas para ministrar e fazer viver o carisma específico.
Desta forma a formação não pode estabelecer nada que seja próprio dela, ela  tem apenas uma autoridade  delegada pelo fundador e deve ser fiel ao carisma de fundação, para que o sangue espiritual circule entre os membros de forma sadia. O que ajudará a formação a cumprir sua missão é fidelidade ao espírito do fundador da vocação, a vivencia do carisma. A formação não pode relaxar, não pode se omitir nem trair o espírito do carisma. ( ...)

Adriano Silva - Cofundador Comunidade Filhos de Sião
domingo, 25 de agosto de 2013
Homilia do 21° Domingo do Tempo Comum

Homilia do 21° Domingo do Tempo Comum




Homilia (MP3) do 21° Domingo do Tempo Comum - Mons. Rômulo, paróquia de São Manuel do Marco_CE.
Neste encontro para o qual o Senhor nos convidou, coloca-nos uma questão importante, fundamental para nós: a salvação eterna.

Há muitos assuntos que podemos confiar a uma pessoa de família ou a um amigo fiel. Mas este há-de de ser tratado pessoalmente, entre nós e Deus.

Nele ele está em jogo a nossa felicidade ou infelicidade para sempre, sem qualquer outra alternativa.


Evangelho (Lc 13,22-30)
Domingo, 25 de Agosto de 2013.


Naquele tempo, Jesus atravessava cidades e povoados, ensinando e prosseguindo o caminho para Jerusalém. Alguém lhe perguntou: “Senhor, é verdade que são poucos os que se salvam?”

Jesus respondeu: “Fazei todo esforço possível para entrar pela porta estreita. Porque eu vos digo que muitos tentarão entrar e não conseguirão. Uma vez que o dono da casa se levantar e fechar a porta, vós, do lado de fora, começareis a bater, dizendo: ‘Senhor, abre-nos a porta!’

Ele responderá: ‘Não sei de onde sois’.

Então começareis a dizer: ‘Nós comemos e bebemos diante de ti, e tu ensinaste em nossas praças!’

Ele, porém, responderá: “Não sei de onde sois. Afastai-vos de mim, todos vós, que praticais a injustiça!’

Ali haverá choro e ranger de dentes, quando virdes Abraão, Isaac e Jacó, junto com todos os profetas no Reino de Deus, e vós, porém, sendo lançados fora. Virão homens do oriente e do ocidente, do norte e do sul, e tomarão lugar à mesa no Reino de Deus. E assim há últimos que serão primeiros, e primeiros que serão últimos”.


Baixe aqui a Homilia



quarta-feira, 21 de agosto de 2013
I Congresso da Família

I Congresso da Família



A Paróquia da Imaculada Conceição, juntamente com o Grupo Nova Aliança, com participação dos Grupos: Arcanjos de Bela Cruz e Filhos de Sião do Marco e apoio da Prefeitura de Bela Cruz, promoverão o Primeiro Congresso da Família na Região do Baixo Acaraú, na cidade de Bela Cruz, na Quadra do Instituto Imaculada Conceição, no dia 31 de agosto de 2013, com início às 8 horas e encerramento com a Santa Missa, às 19 horas.
Palestrantes:
Dom Odelir José - bispo de Sobral
Pe. Emídio Moura Gomes - pároco de Bela Cruz
Robério Cavalcante - coordenador da RCC de Sobral
José Daniel - coordenador da Aliança da Paz.
Haverá as santas presenças das relíquias de:
Beata Elena Guerra - Apóstola do Espírito Santo
João Paulo II.
Após à missa de encerramento com a presença de vários sacerdotes, teremos show com grupos católicos: Ministério Filhos de Sião, Banda Archanjos e Ministério Pra Deus eu canto.

Padre Emídio Moura

domingo, 18 de agosto de 2013
A nova e especial consagração

A nova e especial consagração


 Na tradição da Igreja, a profissão religiosa é considerada como um singular e fecundo aprofundamento da consagração batismal, visto que nela a união íntima com Cristo, já inaugurada no Batismo, evolui para o dom de uma conformação expressa e realizada mais perfeitamente, através da profissão dos conselhos evangélicos 
Todavia esta nova consagração reveste uma sua peculiaridade relativamente à primeira, da qual não é uma consequência necessária . Na verdade, todo aquele que foi regenerado em Cristo é chamado a viver, pela força que lhe vem do dom do Espírito, a castidade própria do seu estado de vida, a obediência a Deus e à Igreja, e um razoável desapego dos bens materiais, porque todos são chamados à santidade, que consiste na perfeição da caridade . Mas o Batismo, por si mesmo, não comporta o chamamento ao celibato ou à virgindade, a renúncia à posse dos bens, e a obediência a um superior, na forma exigida pelos conselhos evangélicos. Portanto, a profissão destes últimos supõe um dom particular de Deus não concedido a todos, como Jesus mesmo sublinha no caso do celibato voluntário (cf. Mt 19, 10-12).
A este chamamento especial corresponde, de resto, um dom específico do Espírito Santo, para que a pessoa consagrada possa responder à sua vocação e missão. Por isso, como testemunham as liturgias do Oriente e do Ocidente no rito da profissão monástica ou religiosa e na consagração das virgens, a Igreja invoca sobre as pessoas escolhidas o dom do Espírito Santo, e associa a sua oblação ao sacrifício de Cristo .
A profissão dos conselhos evangélicos é um desenvolvimento também da graça do sacramento da Confirmação, mas ultrapassa as exigências normais da consagração crismal em virtude de um dom particular do Espírito, que predispõe para novas possibilidades e novos frutos de santidade e de apostolado, como demonstra a história da vida consagrada.
Quanto aos sacerdotes que fazem a profissão dos conselhos evangélicos, a experiência demonstra que o sacramento da Ordem encontra uma fecundidade peculiar em tal consagração, visto que esta requer e favorece a exigência de uma pertença mais íntima ao Senhor. O sacerdote que faz a profissão dos conselhos evangélicos fica particularmente habilitado para reviver em si próprio a plenitude do mistério de Cristo, graças inclusivamente à espiritualidade peculiar do próprio Instituto e à dimensão apostólica do respectivo carisma. No presbítero, com efeito, a vocação ao sacerdócio e à vida consagrada convergem numa unidade profunda e dinâmica.
Valor incalculável tem também a contribuição dada à vida da Igreja pelos religiosos sacerdotes, dedicados integralmente à contemplação. Especialmente na Celebração Eucarística, eles cumprem um acto da Igreja e para a Igreja, ao qual unem a oferta de si próprios, em comunhão com Cristo que Se oferece ao Pai pela salvação de todo o mundo.

Trecho de Vita Consecrata
EXORTAÇÃO APOSTÓLICA 
PÓS-SINODAL 
VITA CONSECRATA 
DO SANTO PADRE 
JOÃO PAULO II 
AO EPISCOPADO E AO CLERO, 
ÀS ORDENS E CONGREGAÇÕES RELIGIOSAS, 
ÀS SOCIEDADES DE VIDA APOSTÓLICA, 
AOS INSTITUTOS SECULARES 
E A TODOS OS FIÉIS 
SOBRE A VIDA CONSAGRADA E A SUA MISSÃO 
NA IGREJA E NO MUNDO

Fonte: Santa Sé

Ultimas Notícias
Loading...
Enviar Mensagem
Aperte Esc para Fechar
Copyright © 2010 - 2017 Comunidade Católica Filhos de Sião Todos os Direitos Reservados