sábado, 14 de julho de 2012

A vida de Camilo de Léllis



Camilo de Léllis nasceu na Itália. Em Buquiânico, pequena cidade pertencente à Província de Abruzzo, dentro do reinado de Nápoles. Foi no dia 25 de maio de 1550 que nasceu Camilo de Léllis.
Filho de João de Léllis e de Camila de Compellis. Ambos de Abruzzo. Camilo
nasce em berço modesto, o pai tinha por profissão a arte da guerra era soldado e capitão de infantaria.
Camilo é o segundo filho do casal, o primeiro de nome José, morreu criança, assim
que seus pais casaram. Enquanto que Camilo trinta anos mais tarde, isto é quando seus pais estão já em idade avançada e sua mãe mais que provável estéril, pois ter já mais de cinqüenta anos é então que Camila sente-se grávida pela segunda vez.
Por isso chamavam Camila de Santa Isabel. Quando Camila sentiu as contrações do parto, estava ela na missa solene de S. Urbano padroeiro da igreja de Buquiânico. Por pouco que Camilo não nasce na igreja em meio à missa, dando tempo de Camila chegar em sua casa para assim dar a luz.
A infância de Camilo foi de certa forma, bem perturbada, ele freqüentou a escola,
porém pouco apreendeu, mal sabia ler e escrever. Contudo muito aprendeu das artes do
mundo. Isto é o jogo do baralho e de dados etc.
Ao completar 18 anos, alistou-se no exército junto com seu pai, pois sua mãe já
havia morrido seis anos antes. Não conseguindo chegar com seu pai ao local da guerra pelo fato da doença de seu pai ter se agravado levando-o a morte dias mais tarde. Tendo assim seu primeiro contato com os franciscanos os quais fizeram o enterro do seu pai.
Camilo sem sua mãe e sem seu pai sofre por outro infortúnio, por lhe aparecer na
perna direita uma pequena ferida que tomava conta de sua perna com o passar dos dias.
Em situação salutar e emocional abalada, Camilo depara-se com dois frades
franciscanos. Os quais reverberaram nele um desejo de tornar-se religioso franciscano.
Porém seu tio Frei Paulo de Loreto o qual era franciscano não quis lhe aceitar por saber de seu passado mundano.
Rejeitado pelos Franciscanos, Camilo viaja para Roma, para internar-se no Hospital
S. Tiago dos Incuráveis, com o intuito de tratar-se de sua chaga. Em troca de seu tratamento ajudava nos afazeres do Hospital, porém foi demitido pelo mordomo Ângelo Napolitano, por ser “cabeça dura”, e mais por estar sempre envolvido em jogos de baralho.Sem um norte, Camilo retorna a participar de aventuras ligadas a guerra, porém todo seu heroísmo ganhado como soldado é colocado a baixo, por causa de seu vício pelo jogo.Aponto de perder tudo, dinheiro, sua espada e sua camisa.
A solução seria agora pedir esmola. Assim o fez. Com pena de vê-lo nessa situação
mendigante, Antônio de Nicastro, procurador dos padres capuchinhos, faz um convite a
Camilo para que esse trabalhe-se na construção de um convento capuchinho em troca de
comida e alguns trocados. Camilo relutou, mas não vendo situação melhor aceitou o
convite.Camilo da ínicio ao seu trabalho na construção do convento. Sua função era transportar água, pedras e cal por meio de dois jumentos.
Com o termino da construção, recebeu Camilo outros serviços e foi justamente em
um desses serviços, isto é, em uma viagem para o convento de S. João na Manfredônia, que Camilo refletindo sobre sua vida pecaminosa, cai por terra ajoelhando sobre uma pedra entre soluços e lágrimas, chora de sua triste vida passada. Se arrependendo por não ter dedicado toda sua vida a Deus.
Esse fato aconteceu no dia 2 de fevereiro de 1575, dia da Imaculada Virgem Maria,
sendo então considerado o dia de sua conversão.
A partir desse fato ocorrido com Camilo, o faz mudar de vida. Toma para si uma
vida de penitência, decide ser capuchinho, porém sua chaga no pé torna-o a incomodar. E o superior provincial Frei João Maria de Thusa, pede-lhe para sair da Ordem, prometendo-lhe que quando recuperado poderia retornar.
Dessa forma Camilo retorna para Roma, para o Hospital S. Tiago dos Incuráveis,
com objetivo de tratar-se e ajudar nas obras de misericórdia, mesmo por que seu
comportamento era de um novo homem.

Camilo escolhe para ser seu orientador espiritual P. E Felipe Néri, este era o
fundador da Congregação do Oratório, com quem se confessava todos os domingos e dias santos. Assim sendo Camilo sarou de sua chaga e retornou a ser capuchinho pela segunda vez, porém foi demitido, sua chaga tornou-se a abri.
È então que Camilo retorna novamente a Roma, para o Hospital S. Tiago dos
Incuráveis e é nomeado mordomo do Hospital.
Contudo o desejo de Camilo de ser Frade de S. Francisco, sempre o deixava
perturbado, tanto é que tentou ser pela terceira vez, mas o próprio Frei João Maria de Thuse o impediu lavrando uma ata no dia 26 de novembro de 1580.
Dentro da realidade hospitalar Camilo convertido a Deus percebe que para melhor
ajudar os doentes seria preciso fundar uma companhia de homens bons e não mercenários como havia.

Camilo ao desenvolver essa sua idéia de companhia torno-a concreta, porém por inveja
daqueles que não fizeram parte dela, os fazem inventar calunias, aos diretores dos hospitais em relação ao grupo de Camilo. E em resposta a isso os diretores obrigam Camilo a desfazer tal Companhia.
É então que Camilo desanimado sonha com o crucifixo, que mexe a cabeça da cruz e lê
anima, dizendo-lhe para que tenha animo, não tenha medo, pusilânime à frente, faça desta proibição uma libertação, pois não é sua obra é Minha obra, isto é do próprio Deus.
A partir dessa visão que Camilo teve, nada lhe impede de fundar a Companhia,
resolve ser padre primeiramente, com o intuito de atender os doentes por completo, isto é de maneira espiritual e corporal.
A primeira missa que Camilo celebra foi no dia 10 de junho de 1584 na igreja do
Hospital S. Tiago. Depois disso Camilo em prol de seu ideal deixa o Hospital e junto com outros companheiros vão para a Igreja Nossa Senhora dos Milagres. Tal atitude de Camilo fez com que seu diretor espiritual P. E Felipe, deixa-se de sê-lo por não acreditar na idéia de Camilo.E tão somente no dia 18 de março de 1586 o então papa Sisto V aprova em seu santificado a Companhia de Camilo como Congregação. Permitindo a Camilo que tenha um distintivo próprio sendo este a cruz vermelha usada a partir do dia 26 de junho de mesmo ano.
Camilo como superior da Congregação compra a Igreja de Nossa Senhora Madalena
em Roma e começa a disseminar o carisma de sua Congregação pelas cidades de Roma.
Os Ministros dos Enfermos, destacados como padres da boa morte por causa do
símbolo vermelho, isto é da cruz no abito preto que usavam, passavam por diversas
provações e muitos serviços, por causa das grandes epidemias acontecidas na época.
Em virtude das obras de caridade realizada pela Congregação o então papa da época
Gregório XIV, eleva a Congregação a Ordem, tornando pública a bula de fundação no dia 21 de setembro de 1591.
Após ter a Congregação erigida a Ordem, Camilo a governa por 27 anos e assim que
percebe que sua Ordem está bem estruturada, que passou pelos obstáculos terríveis de
maneira humilde, deixa seu cargo para melhor servir no Hospital os doentes.
No decorrer da vida de Camilo, teve ele como nos descreve Cicatelli cinco
misericórdias. A primeira misericórdia foi uma chaga incurável numa das pernas a qual
suportou por mais de 46 anos. A segunda misericórdia foi o surgimento de uma hérnia, devido os seus esforços físicos a ponto de Camilo usar um cinturão de ferro para segurar sua hérnia num período de pelo menos 38 anos.
A terceira misericórdia foi o surgimento de dois calos enormes na sola de seu pé da
perna doente, semelhante a espinhos encravados, eram suas dores, as quais agüentou por
mais de 25 anos.
A quarta misericórdia foi às dores que sentia nos lados, causando-lhe pedras nos
rins, chegava até a expelir e eram do tamanho de uma azeitona, sofreu desse mau por 10
anos.
A quinta e última misericórdia foi à falta de apetite, nem um alimento lhe dava
satisfação, num período de 30 meses.
Camilo morreu no dia 14 de julho de 1614 as nove da noite, dia de S. Boaventura.
Tinha 64 anos um mês e vinte dias de vida, sendo quarenta anos convertido a Deus, 28 anos após a aprovação da Congregação por Sisto V e 23 após a Constituição da Ordem pelo Papa Gregório XIV. Por fim como fato curioso Camilo após três dias morto, apresentava uma postura dócil e o mais sobrenatural, foi o estado de seu corpo o qual sofreu tantas moléstias, retorna a um estado normal perfeito sem danos algum.


P. E Sanzio Cicatelli M. I. “VITA DEL P.CAMILLO DE LELLIS”.

Comentários
0 Comentários

0 comentários:

Postar um comentário

Que tal deixar um comentário?

Ultimas Notícias
Loading...
Enviar Mensagem
Aperte Esc para Fechar
Copyright © 2010 - 2017 Comunidade Católica Filhos de Sião Todos os Direitos Reservados