quarta-feira, 27 de abril de 2011
Renovação das Promessas

Renovação das Promessas

Direção da Comunidade e convidados de honra
Em uma noite muito especial a Comunidade Católica Filhos de Sião, realizou a renovação das promessas dos consagrados e acolheu o pedido de ingresso dos discípulos maiores. Na ocasião também se comemorou 15 anos de Renovação Carismática Católica em nossa cidade.
Estatutos da Comunidade
Padre coloca o sinal em discípula maior da Comunidade

Entrada na Santa Missa
 Click aqui e veja todas as fotos

Noite de grande júbilo que começou com a Santa Missa que foi presidida por padre Manuel Rómulo de nossa paróquia de São Manuel do Marco, que também teve as presenças ilustres dos párocos da Diocese de Itapipoca e Sobral, Pe Flávio, Pe Denilson, Pe Maurílio, Pe Oliveira e convidados  .
Párocos
A renovação dos votos dos consagrados teve inicio na igreja São Manuel durante a celebração da Missa e  seu término em um grande banquete para toda a Comunidade Filhos de Sião.
Discipulado maior

postulantado
Parabéns  a Comunidade Filhos de Sião, fruto da RCC de Marco-CE, que o Espírito Santo seja vosso guia nesta caminhada de servos do Senhor e aspirantes ao céu" Desse modo, vós vos lembrareis de todos os meus mandamentos, e os praticareis, e sereis consagrados ao vosso Deus. (num 15.40)"
segunda-feira, 25 de abril de 2011
Com Filhos de Sião. O início

Com Filhos de Sião. O início



Após seminário de vida no Espirito Santo realizado pela Comunidade Católica Reflexo de Deus, em Fortaleza no ano de 1996, com o apoio do casal Francisco Aquino Silveira e Verônica Silveira  é que nossa Comunidade nasceu. Caminhamos até 1998 como grupo de oração. Movidos pela graça de Deus fomos crescendo em número e em desejo de santidade.


Có-Fundador, Cida (filha de Sião)  e  Fundadora da Comunidade
Então, já éramos cinco grupos de perseverança. Tínhamos muito medo de perder a unidade, pois temíamos que grupos tomassem rumos diferentes e fôssemos escândalo para a Igreja. Cientes de que precisávamos caminhar unidos, começamos a rezar e pedir a Deus que viesse em nosso favor. Como Deus é fiel, não tardou em responder a nossa oração. Nos dias quatro e cinco de setembro de 1999, nós participamos na cidade de Maranguape/CE do I encontro Nacional da secretária Atos II. Lá foram abordados os seguintes temas: Identidade da RCC é comunidade. A partir dos testemunhos dos pregadores , nós entendemos que não éramos mais só Grupos de Oração e sim, comunidade.
Comunidade Católica Filhos de Sião Reconhecida Pela Igreja
Daí estruturamos a comunidade da seguinte forma conselho geral formado por Vander-Lúcia Menezes , Adriano Silva e Glaúcia Rocha. Núcleo Apostolico formado por todos os coordenadores dos grupos e ministérios. Vale ressaltar que neste período foi marcado pela busca de descobrirmos a vontade de Deus. Não nos contentávamos dando tão pouco de nós a Jesus. Começamos a buscar ajuda e no dia 24 de maio de 2003, Toni da comunidade Rainha da Paz esteve conosco dando início  ao nosso estudo vocacional e neste encontro Deus profetizou que tínhamos um carisma específico . Nos dias 17,18,19 de outubro de 2003 realizamos um retiro a fim de escutarmos com mais precisão a vontade de Deus . Neste retiro Deus convenceu-nos de que éramos comunidade Nova . Abrasados pelo fervoroso amor de Deus viemos de lá dispostos a vivermos como comunidade de Aliança embora, em nosso meio houvesse irmãos com chamado para a comunidade de vida. Após conversamos com Pe. Rômulo sobre os rumos da comunidade discernimos que postulantes e noviços na páscoa receberiam o sinal da vocação e aspirantes pediriam ingresso . Começamos o ano de 2006 dispostos a dar tudo de nós e o intitulamos como o ano da violência, pois nossa maior vontade era realmente consagrar nossas vidas a Deus. Em 1 de maio solenemente, recebemos o sinal da vocação e acolhemos o pedido de ingresso dos novos aspirantes .

Em outubro, com a Benção do nosso Bispo diocesano, Dom Antônio Fernando Saburido começamos a articular para abrirmos a residência da com. de vida. Em 21 de novembro de 2006 dia da Apresentação de Nossa Senhora. Pe. Rômulo fez a benção das casas comunitária, feminina e masculina. Em 1 de dezembro acolhemos aqueles que há anos foram inquietados por Deus para darem suas vidas na comunidade de vida . E a obra Filhos de Sião é formada por grupos de jovens, casais e projetos .
Casa da Misericórdia ( Projeto da Comunidade)

sábado, 23 de abril de 2011
Vigília Pascal (Homilia)

Vigília Pascal (Homilia)




“Caros filhos, para entendermos o mistério que celebramos, precisamos conhecer suas raízes históricas e religiosas que se encontram no Antigo Testamento.
No Antigo Testamento existem dois significados para a Páscoa. Em Ex12, 26-27, ela é apresentada como a “passagem de Deus”: “é o sacrifício da Páscoa (Pesach) para o Senhor, que passou (Pâsâchti) diante das casas dos filhos de Israel no Egito, quando golpeou o Egito e libertou nossas casas”
 Deus “passa”, “salta”, “poupa” as casas dos israelitas que estavam marcados com o sangue do cordeiro imolado, mas não poupa os primogênitos dos egípcios. Esta explicação da Páscoa tem como protagonista o próprio Deus.No tempo de Jesus esta é a visão que predomina na Palestina. A Páscoa apresenta um forte aspecto ritual e sacrifical. Consiste numa liturgia concreta, que tem como momentos essenciais a imolação do cordeiro no templo, na tarde de 14 de Nissan, e a sua consumação por família no decurso de uma ceia, na noite sucessiva.
Em Dt 16, temos a outra maneira de ver esta festa judaica: a atenção é voltada para a saída do Egito que é vista como a passagem da escravidão para a liberdade. O protagonista passa a ser o homem.
No tempo de Jesus, esta interpretação era predominante no judaísmo da Diáspora. O evento histórico central comemorado era a passagem do povo através do Mar Vermelho. Seu significado alegórico era o da passagem do homem da escravidão à liberdade, do vício à virtude.
Esta dúplice e complementar visão da Páscoa, também influenciou o cristianismo. Alguns padres da Igreja apresentam a Páscoa cristã como a grande imolação de Cristo, a sua Paixão. A morte de Cristo, porém, é vista sobretudo como força de salvação, “morte da morte”. Como dizia Melitão de Sardes: “Graças ao Seu Espírito (de Jesus) que não podia morrer, matou a morte que matava o homem” (Melitão, Sulla Pasqua, 66). Outra tradição cristã viu a páscoa sobretudo como passagem do vício à virtude, dando continuidade à teologia judaica da Diáspora. Nesta perspectiva, toda a vida do cristão e da Igreja é vista como um êxodo, que começa com a fé e termina com a saída deste mundo. A verdadeira páscoa será aquela que celebraremos sem símbolos nem figuras, na pátria beata.
Esta dúplice e complementar visão da Páscoa cristã caminhavam de forma paralelas e, às vezes, até concorrente. Foi preciso a intuição de Sto Agostinho para fazer uma síntese que explicasse melhor o rico significado deste mistério. Ele parte do cap. 13 do Evangelho de João que diz: “Antes da Páscoa, sabendo Jesus que a sua hora tinha chegado, a hora de passar deste mundo para o Pai…” (v. 1). Esta passagem une de forma íntima Paixão e Ressurreição e mostra que é através da Paixão que Cristo chegou à glória da Ressurreição. A Páscoa cristã é uma passagem através da Paixão.
“Paixão e Ressurreição do Senhor: eis a verdadeira Páscoa” (Agostinho, De Cat. Rud. 23, 41; PL 40, 340).
Em Jesus, os dois protagonistas da Páscoa, Deus e o homem, se tornam um só, porque nele a humanidade e a divindade são uma mesma pessoa, autor e destinatário da Salvação se encontram. Mas Jesus não “passa” só. Nós também que somos seu corpo místico, passamos juntamente com nossa cabeça. A nossa passagem se dá na fé (de onde obtemos o perdão dos pecados), na esperança da vida eterna e no sacramento do nosso Batismo. Mas devemos passar também na realidade da vida quotidiana, imitando a sua vida e sobretudo o seu amor. Se não passamos a Deus que não passa, passaremos com o mundo que passa. Páscoa é passar àquilo que não passa.


Escrito por: Pe. Emilio Cesar Porto Cabral
Sexta-Feira da Paixão do Senhor

Sexta-Feira da Paixão do Senhor

Jesus crucificado, que entrega sua vida, num gesto de profunda solidariedade e serviço, desperta em nós a compaixão, o amor.
Reflexão - Jo 18, 1 – 19, 42

Conhecer Jesus significa conhecer também o mistério da cruz e a grande mensagem que esse mistério nos traz: Deus amou tanto o mundo que lhe enviou seu Filho Unigênito, não para condenar o mundo, mas para que o mundo fosse salvo por ele, e ele derramou o seu próprio sangue derramado na cruz, fazendo-se oferenda perfeita para expiação dos nossos pecados. Conhecer Jesus através do mistério da cruz significa tornar-se capaz de fazer-se também oferenda a Deus, amando até o fim, tornar-se uma perfeita oblação a Deus pela salvação da humanidade e, hoje, tornar-se oblação é antes de tudo tornar-se um missionário da vitória do Cristo sobre o pecado e a morte.
Hoje muitos querem esconder a cruz de Jesus, esquecê-la, reduzi-la a uma crença particular, de mau gosto, inclusive, por apresentar um homem despido na hora da agonia e da morte. Mas por que ter medo da cruz e do crucificado? Não foi calada para sempre a sua voz? Não foi. Por isso o sinal da fé cristã continua incomodando: mais do que as nossas palavras e, felizmente, muito mais do que a nossa incapacidade e incoerência em viver tudo o que Ele fez e ensinou.



A cruz sempre será sinal de vergonha, para o condenado, pensavam os juízes. De fato a vergonha ficou para eles, por causa de um processo de cartas marcadas, onde tudo foi falso desde as testemunhas, até as acusações. Uma vida julgada como algo que não valia nada, mais para amedrontar do que para fazer justiça. É o sofrimento inocente que chama atenção. A dor de quem paga por aquilo que não fez, pelos preconceitos, pelo medo dos grandes de perder a posição, o poder e os privilégios. Assim Jesus é mais um daqueles - homens, mulheres e crianças, pobres e esquecidos - que podem morrer, porque não fazem falta numa sociedade onde vale o poder aquisitivo, a posição social, as amizades importantes, os relacionamentos de alto nível. Fácil acabar com quem não pode se defender. Fácil esquecer quem já era ignorado. Fácil dispersar alguns fanáticos fujões e algumas mulheres choronas! Tudo vai passar. No entanto, eles, os juízes, foram esquecidos, Jesus não.


A cruz é também sinal de amor e vitória. Jesus paga com a sua própria vida não o mal que fez, mas o bem. Morre por ter desobedecido a uma lei desumana, porque não teve medo de curar em dia de sábado os que estavam presos na doença. Morre por ter perdoado e ensinado a perdoar os pecados das prostitutas e dos cobradores de impostos, daqueles que já estavam condenados pela falsa moral dos que se consideravam justos e, portanto, na condição de julgar os outros. Para Jesus não tem ovelha perdida que não possa ser resgatada e amada novamente. Ele morre por ter revelado o rosto verdadeiro de Deus Pai, rico em misericórdia e compaixão. Morre por ter ensinado aos seus amigos a buscar o último lugar, a servir e não a serem servidos; a doar sem exigir reconhecimento; a dar tudo, até a própria vida, porque não tem amor maior do que esse. O exemplo de Jesus é a sua vitória. A vitória da fidelidade sobre a traição, da humildade sobre a arrogância, da obediência por amor sobre o individualismo egoísta; a vitória de uma vida renovada sobre a morte de sempre.


Dom Pedro José Conti
Bispo de Macapá - AP

fonte: cnbb
quinta-feira, 21 de abril de 2011
Festa da Divina Misericórdia 2011

Festa da Divina Misericórdia 2011


Vem aí a Festa da Divina Misericórdia 2011" QUE QUERES QUE EU TE FAÇA? "mt.20,32"
 Prepare seu coração, para ser inundado pela misericórdia do Senhor; um show de graças com oração de cura e libertação, pregação, louvor e adoração, com a presença do padre Cleodon da TV Século 21. Será nos dias 30 e 01/05 das 8h ás 1700h no Colégio São Manoel,  na cidade de Marco-CE. NÃO PERCA!
terça-feira, 19 de abril de 2011
Pensamentos valiosos de vida

Pensamentos valiosos de vida


Um grande segredo para a felicidade: não olhar para trás. O passado por melhor ou pior que tenha sido, não volta. – Triste de quem acha que já atingiu sua meta. Muitas pessoas procuram emprego, mas não querem trabalho.
Só que isso acaba transformando o ser humano num fantoche, sem vontade, sem espírito de luta. – A vida é dura, principalmente, com quem é mole.
Daí surgem as pessoas que só sabem reclamar da vida: são amargas, pessimistas e desanimadas. – Quem não tem uma meta definida pára em qualquer obstáculo e quem não aprendeu a superar seus problemas não conseguirá viver em sociedade, não conseguirá manter um bom emprego, não saberá partilhar sua vida. – O ser humano é chamado a ser grande. No projeto de Deus, o ser humano foi criado para ser o senhor da natureza e de todas as coisas desse mundo. É preciso se convencer da necessidade de multiplicar os talentos. – Quando Deus percebe um espírito honesto e batalhador, derrama sua graça sobre ele, então o milagre acontece. Multiplica os talentos.Quem não multiplica os seus dons acabará perdendo tudo. Não há desculpas para quem não multiplica os seus dons. Esses são uns eternos derrotados, que acabarão perdendo até mesmo as pequenas coisas que conseguiram ou herdaram. – A vida não tem pena de quem não luta. – Se nos acomodamos, tornamo-nos pessoas desanimadas. – O ser humano nasceu para se superar e superar os obstáculos. – Quem não partilha seus dons acaba morrendo de fome, na miséria. – Para quem só pensa em si, resta somente a estagnação. – É preciso fazer um diagnóstico para saber em quais áreas da vida somos fracos. – Depois de repetidas graças que Deus nos dá, continuamos dizendo: "eu não tenho nada senhor". – Fechado em meu egoísmo, não dou nada para Deus. – Coragem de olhar no espelho sem fingimento e dizer: o meu futuro depende somente de mim. Não do passado que não volta mais, mas do presente. Daquilo que eu estou realizando hoje. – Para atingir a meta, o primeiro passo a ser dado é querer chegar lá. O segundo passo, absolutamente fundamental, é não dar ouvido àqueles que estão ao seu redor e que não querem que você atinja a sua meta. – O caminho do sucesso é estreito, é pedregoso, é subida, a porta é estreita, mais é possível chegar lá. Já o caminho do insucesso é largo, é pavimentado, é descida, a porta é larga, é gostoso, mas quando termina é doloroso.


“Buscai as Coisas do Alto”  Padre Léo.
Lutar com as próprias armas

Lutar com as próprias armas


"Quando estiver desanimado, nunca desista"
Quando o jovem Davi se dispunha a brigar com o gigante Golias, o rei Saul emprestou sua armadura de aço, seu escudo e sua espada, porém o pastor de Belém não podia nem caminhar com tanto peso (conf. 1Sm 17, 38-39). Ele teve que renunciar às armas reais e brigar com sua funda e cinco pedras de arroio. David não derrotou Golias com as armas do rei Saul, mas com as suas próprias.
Deus também ordena ao juiz Gedeão, que se sente incapaz de enfrentar uma batalha contra os madianitas: vai e, com essa força que tens, livra Israel das mãos dos madianitas (conf. Jz 6,14).

Vamos enfrentar a batalha com toda nossa força, mas só com a força que temos. Ali está o segredo de nossa vitória. Moisés, por sua parte, estava acostumado a apascentar o rebanho de seu sogro Jetro e vivia na rotina e na melancolia. Até que um dia se atreveu a dar um passo ao fascinante mundo do desconhecido e foi “para além do deserto”, para encontrar um novo sentido à sua existência (Ex 3,1).

Era uma vez um grande músico chamado Nicolo Paganini, nascido em Gênova, Itália, em fins do século XVIII, que foi considerado o melhor violinista de todos os tempos.
Certa noite, o palco da Scala de Milán estava repleto de admiradores, sedentos para escutá-lo. Paganini colocou seu violino no ombro e o que se escutou foi indescritivel: tons graves que se misturavam com fins agudos. Fusas e semifusas, colcheias e semicolcheias pareciam ter asas e voar ao contato de seus dedos encantados. De repente, um ruído estranho surpreendeu a todos. Uma das cordas do violino de Paganini havia se rompido. Paganini continuou tocando e arrancando sons deliciosos de um violino com problemas.


Pouico depois, a segunda corda do violino de Paganini se rompeu. Como se nada tivesse acontecido, Paganini esqueceu as dificuldades e continuou criando sons do impossível.
Pela sobrecarga do esforço, uma terceira corda do violino de Paganini se rompeu. E ele continuou produzindo melodiosas notas.


No concerto da vida, se rompem as cordas de nosso violino quando se deteriora a saúde, quando perdemos de repente pessoas queridas, quando um amigo nos traí e outras mil formas imprevistas. De qualquer maneira, o musico deve continuar tocando, inspirado na criatividade e na perseverança.


Mesmo que as cordas se rompam, seguiremos sem nos deter e florescerão qualidades ocultas que nem nós sabíamos que existiam em nosso interior. Então, os outros se emocionam e se motivam, porque percebem que, se alguém pode tocar seu instrumento musical em meio às dificuldades, eles também acreditam que podem fazê-lo.


Quando estiver desanimado, nunca desista, pois ainda existe a corda da constância para tentar uma vez mais, dando um passo “mais além” com um enforque novo. Enquanto tiver a corda da perseverança ou da criatividade, pode continuar a caminhar, encontrando soluções inesperadas. Desperta o Paganini que há dentro de você e avança para vencer.
Vitória é a arte de continuar onde os outros se dão por vencidos. Quando tudo parece desmoronar, se brinde com uma oportunidade e avance sem parar. Toca a mágica corda da motivação e tire sons virgens que ninguém conhece. Toca teu violino com as cordas que tens.


Do livro:  Como evangelizar com parábolas. Prado Flores


segunda-feira, 18 de abril de 2011
 CD Ministério de Música Filhos de Sião

CD Ministério de Música Filhos de Sião

Conheça as mais belas canções do Ministério de música da Comunidade Católica Filhos de Sião,
Banda que é fruto da Renovação Carismática Católica !
"O Ministério de música Filhos de Sião nos faz louvar ao Senhor e homenageia à nossa Mãe Maria Santíssima com belas canções.
Play List

Click aqui para baixar o CD

sábado, 16 de abril de 2011
Celebrando a Páscoa do Senhor

Celebrando a Páscoa do Senhor



Domingo de Ramos
Ao celebrarmos o Domingo de Ramos e a entrada triunfal de Jesus em Jerusalém, estamos, de fato, celebrando a realeza de Jesus. A seu modo, e cumprindo aquilo que os profetas haviam anunciado ao longo dos tempos, Jesus vai a Jerusalém para oferecer sua vida por sua por seu povo e é aclamado como Messias e Rei. Entra em Jerusalém como o legítimo “Filho de Davi”. Contudo, ele não vem para dominar. Vem, antes, para servir e dar sua vida em resgate pela humanidade.
Entra em Jerusalém como Rei da Paz e do Amor! Com a celebração deste domingo, toda a Igreja inicia uma longa caminhada, que, mais do que apontar para a morte de Jesus, nos orienta para a Ressurreição e vitória final da vida sobre a morte. Era isso que Jesus, com toda sua autoridade, queria demonstrar: O Reino de Deus se manifesta como Reino da Vida e Salvação para todos. 
O sentido do lava-pés
No tempo de Jesus, quando o patrão chegava em casa com os pés suados e empoeirados, quem tinha de lavar os pés dele era o escravo. Ou então a mulher. Jesus, como patrão que é (digamos assim), inverte as coisas. Ele lava os pés dos seus súditos. Ele assume o papel do escravo... O gesto expressa todo o sentido de sua missão. Pois Ele “não veio para ser servido, mas para servir e dar a sua vida...”. Nisto consiste o seu ser Senhor. Ele é Senhor precisamente na arte de fazer-se servo, escravo de todos. Assim deve ser também o apóstolo e discípulo dele. Jesus deu o exemplo para que façamos a mesma coisa que Ele fez: sermos servos e escravos uns dos outros, como Ele o foi e é até hoje!
Paixão do Senhor
Este dia é todo centrado na Cruz do Senhor. Hoje começamos a celebração verdadeira e própria da Páscoa. É a hora da verdade. Jesus, fiel ao amor de Deus, vai até o fundo, até aceitar a morte. Por isso, hoje, contemplados a sua Cruz, agradecemos pelo seu sacrifício, proclamando nossa fé nele, em que a humanidade inteira, com todas as dores e angústias, encontrará a luz, a vida e a salvação.
Ao escutarmos, hoje, a narração emocionante da sua Paixão, quando o evangelista João oferece o sentido profundo dos acontecimentos de que fora testemunha, rezemos para que a força de seu amor renove toda a humanidade e adoremos a Cruz, que é salvação e vida para todos. Deixemos que o silêncio invada o nosso coração! Adoramos a vossa Cruz, Senhor, e glorificamos a vossa santa ressurreição!
Vigília Pascal
Eis a noite gloriosa da libertação. Cristo ressuscitou. Ele venceu a morte, o pecado e a cruz. Portanto, “não tenhais medo”. A esperança deve brilhar! Jesus Cristo, o Senhor e a Luz do mundo ressuscitou e está vivo entre nós. Para quem tem fé e acredita, o medo já não prevalece, pois aquele que estava morto, agora vive. E o próprio ressuscitado nos envia a anunciar a Boa Notícia da ressurreição a todas as criaturas, fazendo discípulos dele todos os povos. Cristo confia a nós, ainda hoje, a missão de sermos testemunhas vivas da sua ressurreição e de sua presença entre nós. Eis o mistério da nossa fé e da nossa esperança. Felizes são os que creem neste Mistério, mesmo sem ter visto. Deles é o Reino dos Céus.
Ceia do Senhor
Eis que é chegada a hora de Jesus. Diante da proximidade de sua paixão, naquela última quinta-feira em que esteve conosco, e que daquele momento em diante tornou-se santa, Jesus amou a todos nós, amando-nos até o fim. Essa plenitude do amor se expressa no gesto humilde e serviçal do lava-pés. Assim, Jesus leva até as últimas consequências seu projeto de amor e doação. Que não sejamos como Pedro, o discípulo que ainda não tinha compreendido o que significava tal gesto, sentindo-se incomodado com a capacidade que Jesus tinha de amar. Após esse gesto profético do lava-pés, Jesus nos convida a imita-lo: “Dei-vos o exemplo para que, como eu vos fiz, também vós o façais”.
Páscoa do Senhor
Jesus ressuscitou! Está vivo e presente no meio de nós! Páscoa é a passagem das trevas para a luz, da morte para a vida de conversão. Não há mudança comunitária e social sem a mudança pessoal. Páscoa que é sempre uma passagem atinge a todos e a cada um de nós. Por isso é preciso celebrar a passagem do isolamento para a convivência, do desânimo para a esperança. Acender a esperança em cada coração humano é realizar a Páscoa. Páscoa é passar para a fé do Ressuscitado. Crer no Vencedor e na vitória da vida. Acreditar na vida. Crer que o mundo e a vida têm conserto. Isso é celebrar a Páscoa. A descrença é a morte de Deus no coração. A fé nos lembra que o Ressuscitado está e continua conosco no mundo, Ele é nossa vida.

Jesus é o nosso rei e o amor é a sua lei



Fonte: www.diocesedecolatina.org.br

Homilia do Domingo de Ramos

Homilia do Domingo de Ramos


Irmãos e irmãs, Jesus entrou em Jerusalém, e nós o seguimos com os ramos nas mãos. Nesta solene liturgia, iniciamos a Semana Santa, centro do grande acontecimento de nossa fé: o mistério da paixão, morte e ressurreição de Jesus Cristo, que chegou até nós como humilde rei servidor que, hoje, inicia sua trajetória rumo à glória e à ressurreição. Antes, porém, deverá passar pelo sacrifício da cruz.
Há cinco semanas iniciamos uma jornada de preparação para este grande momento. Aliás, estamos nos preparando deste o Natal. Todas as celebrações, do Natal até o presente momento, celebraram em sucessão, os momentos marcantes da vida de Jesus. Nesta Semana Santa que se inicia, faremos memória dos últimos dias de seu ministério. Ministério centrado na morte redentora e ressurreição gloriosa do Filho de Deus.Assim, podemos observar que, após cerca de três anos de atividade na Galiléia e territórios vizinhos, Jesus se encontra mais uma vez em Jerusalém. Na sua ação libertadora e vivificante Ele enfrenta a cúpula dos dirigentes religiosos da Judéia, sediada no Templo de Jerusalém.
Pelos conflitos já ocorridos ao longo de seu ministério Jesus tem consciência que o confronto em Jerusalém será fatal. Mas ele não abre mão de sua liberdade de levar o anúncio de seu projeto de vida ao grande número de peregrinos que aí vão para a festa da Páscoa judaica. É a coerência e fidelidade ao projeto do Pai, que Paulo chama de "obediência".
Conforme testemunharemos, nestes últimos dias sucedem-se a ceia da partilha, a traição de Judas, as omissões dos discípulos, a prisão, o julgamento sumário, as torturas, a crucifixão, a morte e a sepultura de Jesus. Da parte dos dirigentes religiosos Jesus encontrou rejeição absoluta, pois se consideravam ameaçados em seus privilégios pela prática de Jesus.
Da parte dos discípulos Jesus não encontrou plena compreensão. A ideologia do poder em que tinham sido formados não seria removida de imediato por Jesus. Só após a sua morte, com o dom do Espírito, é que irão percebendo o pleno sentido da eternidade e da divindade de Jesus.
Em conformidade com a Primeira Leitura, Jesus em seu ministério anunciou a palavra com "língua habilidosa". É a palavra que reanima os desanimados e restaura a vida. "De rosto impassível", sempre permaneceu fiel à sua missão que o Pai lhe entregou, apesar de toda e qualquer repressão dos poderosos.

Agora, na cruz, fica consumado seu ministério. O sofrimento na carne e a proximidade da morte provocam um sentimento de abandono. Porém a consciência do amor do Pai leva a uma entrega confiante em suas mãos – observem Mateus 27 os versículos 46 e 50.
Daqui pra frente, caberá a nós seguir os passos de nosso salvador para que, associados pela graça à sua cruz, participemos também de sua ressurreição e de sua vida.
Feliz Páscoa a todos vós que sois de Cristo!

sexta-feira, 15 de abril de 2011
A luta contra o pecado

A luta contra o pecado


"O importante não  é vencer todos os dias , mas sim lutar sempre "
O pecado  torna-nos escravos; O tentador sempre busca a nossa maior fraqueza, e faz a gente se sentir aparentemente bem, tudo fica bem , tudo dá certo,  mas  na realidade estamos indo de encontro ao abismo, por via da cegueira do pecado, pois é isto que ele faz, nos deixa cegos. Ele vem revestido de uma flor linda e bela, mas que tem no seu interior espinhos, que perfuram a alma nos ferindo mortalmente.
Quando pecamos a primeira coisa que acontece é ficarmos com vergonha de Deus, é afastar-mos do seu imenso Amor, pois foi isso que aconteceu quando Adão pecou, tentou ocultar-se do Senhor. Muitas vezes nós achamos não ser mais dignos de ser amados por Deus, devido aos nossos pecados, ai é que nos enganamos, ou somos enganados pelo tentador, pois o que ele quer é isto mesmo, que nos afastemos cada vez mais de Deus.
O tentador usa de grande malícia para surpreender o cristão, ele estuda seus pontos fracos e vai pacientemente levando-o para a lama, quando você se dá conta já  estar escravo dele.
Ele busca sempre aquele que se diz forte (pois os que são fracos, que não reconhecem sua fraqueza diante de Deus,  ficam acomodado com os prazeres do tentador), ou sempre os mais fieis, e vai as poucos lubridiando com um doce que ao final se torna muito amargo; Ora pois muitos de nós as vezes nos julgamos fortes, mais ai é que mora o perigo, pois você pode estar sendo um objeto usado pelo tentador, assim como os fariseus, que sempre buscaram os primeiros lugares nas sinagogas e usavam roupas cumpridas, mas
por dentro eram sepulcros calhados, "cheios de egoísmos , e que só buscavam seus próprios interesses.
 Já os cristãos fervorosos, reconhecem sua fraqueza e sempre busca em Deus sua fortaleza assim fazem sua caminhada numa vida de santidade, pois quando se busca a Deus e confia na sua imensa misericórdia, resistirás as tentações do demônio, por que o Senhor nos dá a armadura do cristão, a palavra de Deus.
E além de tudo ainda nos alimenta com seu próprio corpo e sangue que está na Santa Eucaristia.
Então se pode afirmar que o tentador só vence os acomodados, por que acham que não conseguem encontrar forças para sair da escravidão, e é disso que ele gosta, que você se ache rejeitado e sem perspectiva de mudança de vida .
  Hoje é o dia, não adianta você deixar sua conversão para depois, pois esta é uma das maiores armas do tentador, o depois pode nunca chegar, e o fim é trágico.
  Deus acredita em nós, mesmo se estamos no fundo do mais profundo poço. "O ímpio tem muitas dores, mas àquele que confia no Senhor a misericórdia o cercará salmo 32.10". Se você quiser Ele te resgata, basta você querer no mais intimo do seu coração, que ele vai te salvar e te fazer livre, mas livre para amá-lo e viver segundo a sua vontade para que não tornes à cair.
E  se  tiver recaídas, busque à Deus novamente pois ele é um pai misericordioso e  vai te acolher assim como ele acolhe todos nós filhos pródigos.
  Só deixaremos de ter tantas recaídas quando aprendermos  a lutar nesta grande batalha do dia a dia, Santo Augustinho nos diz; " o importante não  é vencer todos os dias , mas sim lutar sempre "
   paz e bem  a todos.


quarta-feira, 13 de abril de 2011
  Buscai as coisas do alto

Buscai as coisas do alto


                                                      


É no Alto que está a nossa meta e é por ela que devemos lutar.
Para alcançar as coisas do alto, precisamos cultivar a paz. E essa paz também é no sentido interior.
Ela não significa que você vai estar todo dia alegre, todo dia feliz. O triunfo da paz significa uma conquista; significa que vamos passar por problemas, por dificuldades. Em alguns dias, você vai estar para baixo e não com a mesma disposição de sempre, porque você é humano e precisa colocar o pé no chão, mas os olhos devem estar fixos em nosso alvo, Jesus. Ele é nossa paz, nosso modelo.

O cristão é chamado a ser semeador do céu, "carimbador" do céu. Estamos ensinando nossas crianças a ter um corpo "carimbado" pelas coisas do Alto? A minha vida continua escondida com Cristo. O que eu tenho feito com meu corpo? As minhas amizades têm sido verdadeiras ou tenho usado as pessoas?

Você está se "nivelado" com as coisas de baixo? Rompa com o pecado, meu irmão. Não sei qual pecado ou vício você está enfrentando, mas será que você buscou de fato romper com isso? Já buscou o sacramento da confissão sinceramente?

Derrame sua alma hoje na presença de Deus. Na hora da santa Missa é Jesus quem se faz presente. Já ouvimos falar: "Que vida é essa que estou vivendo?" Você vai encontrar essa vida quando buscar as coisas do Alto.

Paulo começa este texto com uma condicional: "Se, portanto, ressuscitastes com Cristo, buscai as coisas lá do alto" (Colossenses 3,1) Sua feição diz mais das coisas do céu ou da terra? Em qual situação da sua vida ainda é preciso colocar o "carimbo" do céu?


Espírito Santo, vem em socorro à minha fraqueza. Dá-me a graça de "carimbar" a minha vida inteira com as coisas do Alto. Eu cansei dessas coisas da terra, cansei de pecar. Vem em socorro à minha fraqueza. Espírito Santo, Tu que és especialista em socorrer aqueles que são fracos. Eu sou fraco, preciso da tua graça. Quero "carimbar" minha casa, meu carro com as coisas lá de cima. Quero "carimbar" também o meu tempo para estar no tempo de Deus 

Fonte: http://wiki.cancaonova.com
Por que existe o sofrimento?

Por que existe o sofrimento?



O sofrimento da humanidade é também fruto do pecado
Saber sofrer é saber viver. Jesus Cristo nos faz compreender o significado do sofrimento. Ninguém sofreu como Ele e ninguém como Ele soube enfrentar o sofrimento e dar-lhe um sentido transcendente.
Um dia, Karl Wuysman, escritor francês, entre o revólver e o crucifixo, escolheu o crucifixo. O fato de Jesus ter sofrido como ninguém, e ser Deus e Santo, mostra que o sofrimento não é castigo. Uma prova de que Deus não deseja o sofrimento e não o manda como castigo a ninguém um sinal forte de que o Reino de Deus já estava entre nós eram as curas, os milagres, os exorcismos, entre outros, que Jesus fazia, isto é, vitórias sobre o mal e sobre o sofrimento. Alguns perguntam: “Se Deus existe, então, como pode permitir tanta desgraça?”

A resposta católica para o problema do sofrimento foi dada de maneira clara por Santo Agostinho († 430) e por São Tomás de Aquino († 1274): "A existência do mal não se deve à falta de poder ou de bondade em Deus; ao contrário, Ele só permite o mal porque é suficientemente poderoso e bom para tirar do próprio mal o bem" (Suma Teológica l qu, 22, art. 2, ad 2). "Tudo concorre para o bem dos que amam a Deus" (Rm 8,28).

Deus, sendo perfeitíssimo, não pode ser a causa do mal, logo, é a própria criatura que pode falhar, já que não é perfeita como seu Criador. Mas, o mal pode ser também o uso mau de coisas boas. Uma faca é boa na mão da cozinheira, mas não na mão do assassino... O sofrimento da humanidade, sobretudo, é também fruto do pecado. São Paulo disse que "o salário do pecado é a morte" (Rm 6,23).

Nossos erros geram sofrimentos para nossos descendentes também. Os filhos não herdam os pecados dos pais, mas podem sofrer pelas consequências deles . O Papa João Paulo II, em 11/02/84, na Carta Apostólica sobre o sofrimento declarou que: "O sentido do sofrimento é tão profundo quanto o homem mesmo, precisamente porque manifesta, a seu modo, a profundidade própria do homem e ultrapassa esta. O sofrimento parece pertencer à transcendência do homem" (Dor Salvífica, n. 2).

Para que o homem fosse "grande", digno, nobre, Deus o fez livre, inteligente, com sensibilidade, vontade, memória, entre  outros. Deus Pai não poderia impedir o homem de Lhe dizer "não": senão lhe tiraria a liberdade e este seria apenas um robô, uma marionete, um teleguiado. E o Altíssimo não quis isso.

Deus não é paternalista, é Pai: não fica "passando a mão por cima" dos erros dos filhos. Esta é a lei da justiça: quem erra, deve arcar com as consequências de seus erros. "Deus não fez a morte nem tem prazer em destruir os viventes" (Sb 1,13).


Escrito por: Felipe Aquino
 Fonte cancaonova.com
sábado, 9 de abril de 2011
5° Domingo da Quaresma (10/04/2011)

5° Domingo da Quaresma (10/04/2011)


A palavra de Deus que nos é dada neste domingo nos fala de uma vida nova.
A glória de Deus se faz diante da doença e da morte de Lázaro.
Sair dos nossos pecados é fazer uma experiência da ressurreição no tempo. O prefácio da missa de hoje nos diz: “Compadecendo-se da humanidade, que jaz na morte do pecado, por seus sagrados mistérios ele nos eleva ao Reino da vida nova”. O Batismo é esse sair do túmulo. Nós, já batizados, cada vez que nos reconciliamos com o Senhor e participamos do seu banquete, somos também espiritualmente ressuscitados. Ao nos levantarmos dos nossos bancos para ouvir o Evangelho é como se estivéssemos de dentro dos nossos túmulos ouvindo a voz de Cristo que docemente nos convida à vida. Ao sairmos de nossos lugares para tomarmos o Sagrado Alimento é a vida de Cristo que nos refaz.

Todavia, Cristo nos ressuscitará definitivamente para uma vida melhor. Nós tememos a morte. O nosso temor da morte consiste no fato de que nós não fomos feitos para a morte e, sim, para a vida. Temos medo de permanecer na morte. Às vezes quando perdemos alguém dizemos como Marta: “Senhor, se tivésseis estado aqui, meu irmão não teria morrido”. Gostaríamos de ter uma ressurreição como a de Lázaro. Mas, Cristo prepara para nós uma ressurreição melhor. Lázaro ressuscitou para esta vida. Cristo nos ressuscitará para a vida eterna. Nós não teremos uma ressurreição como a de Lázaro, mas teremos uma ressurreição como a de Cristo. Nós entraremos no sono da morte, como Cristo e como Lázaro. Mas, de dentro dos nossos túmulos, quando na solidão a vida tiver saído de nossos corpos, Cristo, Aquele que é a vida, nos enviará um chamado, uma Palavra de vida que nos fará levantar do sono da morte. Ele dirá uma vez por todas, com voz forte: “Vem para fora!” E nós sairemos, e caminharemos em direção Aquele que nos ama, ao nosso amigo. Caminharemos em direção Aquele que chorou por nós e que não suportou nos ver no sono da morte. Caminharemos em direção Aquele que, para nos tirar do túmulo e da morte, entrou Ele mesmo na solidão do túmulo e na escuridão da morte.

Padre Fábio Siqueira

Arquidiocese do Rio de Janeiro
O ciclo da Páscoa

O ciclo da Páscoa


O ciclo da páscoa se divide em cinco tempos;
tempo da Septuagésima; preparação afastada; 3 semanas  já sem o aleluia; septuagésima, sexagésima e quinquagésima; cor roxa
tempo da Quaresma;preparação próxima; 4 semanas penitenciais, começando com jejum da quarta-feira de cinzas; cor roxa
tempo da paixão;
Preparação imediata ;domingo de ramos ,semana santa e domingo da paixão tempo da Páscoa; festa da páscoa , cinco domingos da páscoa ascenção, pentecostes,santíssima trindade; cor ;branca
tempo depois de Pentecostes;prolongamento de 24 semanas depois de pentecostes ;simboliza o mistério da igreja peregrina neste mundo ; cor , verde
depois do último domingo de pentecostes, volta o primeiro domingo do advento, recomeçando o ano litúrgico.
sexta-feira, 8 de abril de 2011
Santo do dia

Santo do dia

Santa Júlia Billiart
Maria Rosa Júlia Billiart (Cuvilly, Picardia, 12 de julho de 1751 — Namur, 8 de abril de 1816) foi uma mulher considerada "santa" católica, beatificada pelo Papa Pio X em 1906 e canonizada por Paulo VI 22 de julho de 1969.
Fundadora da Congregação de Notre Dame de Namur, é festejada em 8 de abril.Vida Era filha de Francisco e Maria Antonieta, camponeses pobres e muito religiosos, que também possuíam um comércio. Como já havia aprendido todo o catecismo aos oito anos, o padre autorizou-a a fazer a Primeira Eucaristia.

Júlia sempre precisou trabalhar, já que sua família passava por dificuldades econômicas, como a maioria das famílias camponesas da época. Mesmo com todas as suas ocupações, sempre procurava tempo para visitar os enfermos e os abandonados, ajudava- os e orava por eles.

Um dia, quando ainda nem tinha vinte anos, enquanto trabalhava com seu pai, um indivíduo disparou um fuzil contra este e ela ficou com uma paralisia nas pernas, devido ao enorme choque emocional que teve. Ela suportou esta doença por 22 anos e foi depois alegadamente, "milagrosamente" curada. Mas, com freqüência, se ouvia ela dizer: "Que belo dia!"

Em 1790, devido à Revolução Francesa, teve que fugir para Compiègne, alegadamente e surpreendentemente "perseguida" pelas autoridades, devendo "trocar de residência constantemente". Os sofrimentos agravaram de tal forma o seu problema que chegou a "perder a fala por alguns meses".

Em 1793 teve um delírio que alegou ser uma "visão". Aos pés de uma cruz, ela alegava que "viu um grupo de mulheres vestindo roupas estranhas e escutou uma voz" que dizia: "Eis as filhas que te darei num Instituto que será marcado com a minha cruz."

No fim do tempo do Terror, mudou- se para Amiens, onde recobrou a fala e conheceu Maria Luísa Francisca Blin de Boudon, mulher muito inteligente e culta, Viscondessa de Gézaincourt, que seria sua amiga íntima e colaboradora.

Em Amiens, Júlia e Francisca fundaram o Instituto de Nossa Senhora, atual Congregação de Notre Dame de Namur, com o apoio do padre jesuíta Joseph Varin. O fim do instituto era o cuidado espiritual de crianças e formação de catequistas. Foi a primeira congregação religiosa sem distinções entre as integrantes. Assim que ingressaram ao instituto algumas candidatas, abriu- se um orfanato e inauguraram- se salas noturnas de catequese. Júlia dizia: “Pensem quantos poucos sacerdotes há atualmente e quantas crianças necessitadas se debatem na ignorância. Temos que lutar para ganhá- los para Cristo”.

Em 1804, junto com um padre fez uma novena ao Coração de Jesus, e, no quinto dia, voltou a andar.

A saúde lhe permitiu consolidar e expandir sua obra: foram inaugurados os conventos de Namur, Gante e Tournai. O Padre Varin foi substituído. O novo confessor viu a presença da congregação com maus olhos. Então, o bispo de Amiens exigiu que a madre saísse de sua diocese. Ela se retirou com as religiosas para o convento de Namur, onde o bispo as recebeu cordialmente.

Madre Júlia passou os últimos sete anos de sua vida formando as religiosas e fundando novas casas. Morreu em 8 de abril de 1816, enquanto recitava o Magnificat e fazia suas preces a sua protetora, Santa Júlia mártir.
A Quaresma, última preparação daqueles que serão batizados na Páscoa

A Quaresma, última preparação daqueles que serão batizados na Páscoa


São Romano, o Melodista (c. 560), compositor de hinos
Nós, os novos baptizados, os filhos do baptistério que acabámos de receber a luz, damos-Te graças, Cristo Deus. Tu iluminaste-nos com a luz do Teu rosto, Tu revestiste-nos com a veste que convém às Tuas núpcias (Sl 4, 7; Mt 22, 11). Glória a Ti, glória a Ti, porque tal foi do Teu agrado
Quem dirá, quem mostrará ao primeiro homem criado, Adão, a beleza, o brilho, a dignidade dos seus filhos? Quem contará também à infeliz Eva que os seus descendentes se tornaram reis, revestidos de uma veste de glória, e que com grande glória glorificam Aquele que os glorificou, brilhantes de corpo, de espírito e de veste? E quem os exaltou? Foi, evidentemente, a sua Ressurreição. Glória a Ti, glória a Ti, porque tal foi do Teu agrado.  Tu és brilhante e radioso, Adão. Ao ver-te, o teu adversário definha e exclama: Quem é este que vejo? Não sei. O pó foi renovado (Gn 2, 7), as cinzas foram divinizadas. O pobre doente foi convidado, foi refrescado, entrou e sentou-se à mesa, foi conduzido ao banquete e tem a audácia de comer e o desplante de beber Aquele que o criou. E quem Lho deu? Foi, evidentemente, a sua Ressurreição. Glória a Ti, glória a Ti, porque tal foi do Teu agrado.
Esqueceu as suas culpas antigas, não ostenta a menor cicatriz dos primeiros ferimentos. Abandonou os seus longos anos de paralisia na piscina, como tinha feito o paralítico, e deixou de trazer o leito aos ombros, mas traz às costas a cruz Daquele que teve piedade dele . Outrora, o Amigos dos homens (Sap 1, 6) lavou muitos homens nas águas, mas eles não brilharam assim; àqueles, porém, a Ressurreição tornou-os luminosos. Glória a Ti, glória a Ti, porque tal foi do Teu agrado. 
Eis-te recriado, novo baptizado, eis-te renovado; não curves as costas ao peso dos pecados. Possuis a cruz como cajado, apoia-te nela. Leva-a à tua oração, leva-a para a mesa, leva-a para o leito, leva-a para todo o lado como título de glória. Grita aos demónios: Com a cruz na mão, ergo-me, louvando a Ressurreição. Glória a Ti, glória a Ti, porque tal foi do Teu agrado.
Como expulsar todo mal da sua vida e da sua casa

Como expulsar todo mal da sua vida e da sua casa


Padre Rufus.
 Saiba como expulsar todo mal da sua vida e da sua casa.
     
"O diabo usa cinco formas para atacar o homem. Veja abaixo, resumidamente, estes cinco modos, que são:

Tentação: a tentação verifica-se quando o diabo tenta você a fazer o que não tem que ser feito, ou que você não faça o que tem que fazer
É sempre uma questão de obediência a Deus. Uma coisa a se manter bem em mente é que nem toda a tentação vem do diabo. A nossa própria natureza ferida pelo pecado nos sugere que façamos o mal, pelo qual somos atraídos.
Opressão: Significa que o diabo, como bom lutador, achando o ponto fraco da minha personalidade dirige o seu ataque nessa direção: poderia ser o poder, a ambição, o ciúme, o ser apegado ao dinheiro, ao sexo, à sensualidade, etc... Cada um de nós tem um ou mais pontos fracos na sua natureza. É bom lembrar de tudo isto especialmente quando procuramos amparo no Sacramento da Reconciliação, se queremos que este seja frutífero ao máximo. A graça deste sacramento, de fato, não consiste somente no perdão do pecado, mas também na cura e libertação.

Vexação: Acontece quando o inimigo ataca pessoas superiores. Temos o caso de Padre Pio, por exemplo, quando o diabo tremia a cama dele e fazia todo aquele teatro. A vexação existe realmente, basta ler a vida dos santos, e veremos quando ela é realidade.

Infestação: Acontece quando o diabo tenta incomodar não a pessoa, mas seus objetos e locais onde ela vive. Também neste caso precisamos ser prudentes e cautelosos na análise desses fenômenos, não excluindo a possibilidade de serem verdadeiros.

Possessão: Acontece quando o diabo toma, como sua morada, o corpo de uma pessoa, domina sua mente, domina sua psique, sua vontade. O domínio da alma pelo diabo só se dá pelo pecado. Na possessão, o maligno somente consegue chegar à pisque, à vontade, ao intelecto, não podendo chegar à alma. Ele não pode obrigá-lo a cometer o pecado, mas somente a fazer a ação do pecado. Esses são os três modos de possessão:
- Quando se abre todas as portas para se entregar ao inimigo;
- Quando se abre as janelas, através da prática do ocultismo;
- Quando, com a permissão de Deus, o diabo pega alguém como refém".

É fundamental para que se liberte do Demônio a fé, em Jesus Cristo. Porém, esta fé deve ser concretizada na vida de oração pessoal, nas devoções a Maria e a São Miguel Arcanjo.

No link abaixo apresentamos recursos para que o poder de Deus venha se manifestar na sua vida, conheça:
Receba a benção e o poder na sua casa:
http://www.PortalCarismatico.com.br
quinta-feira, 7 de abril de 2011
História da novena de Nossa Senhora desatadora dos nos

História da novena de Nossa Senhora desatadora dos nos



Tal é a grandeza de Maria e tão poderoso é o favor que ela goza da parte de Deus, que se abster de recorrer a Ela na necessidade seria o mesmo que querer voar sem ter asas?. (Leão XIII, encíclica: Augustissimae Virginis.).
Por que uma novena? Por que nove dias? Maria ficou 9 dias cercada pelos apóstolos no cenáculo, rezando pela vinda do Espírito Santo. Ela nos ensina nesta oração perseverante a constância na fé e o ardor, a fim de não desanimar em um pedido direcionado a Deus. Se a Mãe de Deus, a Mulher sem mancha, a Imaculada, rezou e encorajou os apóstolos a rezarem durante 9 dias, para receber o que tem de mais precioso na vida humana, o Espírito Santo, devemos aprender a não desistir, porque está escrito no Eclesiástico: Ai dos corações tímidos que não confiam em Deus e perderam a paciência? (Ecle 2,15-16).

E Tiago nos diz: Peça com fé sem nenhuma vacilação porque o homem que vacila assemelha-se à onda do mar? Não pense, portanto que tal homem alcançará alguma coisa do Senhor, pois é um homem irresoluto, inconstante em todo o seu proceder? (Tia 1,6-8).

A oração é a força do homem que faz estremecer o coração de Deus, porque nada é mais poderoso do que um homem que reza? (São João Crisóstomo), porque ele participa do poder de Deus.

Tiago nos diz novamente: Pedis e não recebeis porque pedis mal? (Tia 4,3).

E São Basílio diz: Se alguma vez você pediu e não recebeu é porque pediu mal, faltando de fé ou com superficialidade ou porque pediu uma coisa que não precisava ou porque você abandonou a oração?.

Todas as graças que desejamos devemos pedi-las por Maria, porque Ela nos obtém tudo o que precisamos? (São Afonso de Ligório). Todos os dons, virtudes e graças são dadas por Suas Mãos a quem Ela quer, quando Ela quer e como Ela quer? (São Bernardino de Siena).
quarta-feira, 6 de abril de 2011
Quaresma, busca à conversão

Quaresma, busca à conversão



 O processo de transformação não é possível ser realizado em breve momento, mas por um caminho de conversão que deve percorrer passo a passo, com a convicção de que este caminho de renovação não acontece de uma só vez, mas abrange toda a vida do homem em um processo contínuo de ano após ano, e o deve percorrer sempre.

A Quaresma quer conservar presente esse processo que, para se chegar a Deus, é preciso passar por um processo sempre novo de transformação e mudança de vida. Assim, a palavra mais forte que nos acompanha neste tempo quaresmal é uma busca sincera de conversão, a metanóia, que reorienta todo o nosso ser em direção a Deus.

Por isso, esse tempo é marcado pelo jejum, abstinência e esmola, para lutarmos contra as tentações, unindo-nos a Cristo, que enfrentou a tentação no deserto durante quarenta dias. Um tempo realmente favorável para abandonar o "homem velho" e nascer um "homem novo".
terça-feira, 5 de abril de 2011
Conheça as  promessas de Nossa Senhora para quem usar o Escapulário

Conheça as promessas de Nossa Senhora para quem usar o Escapulário



1- Quem morrer com o Santo Escapulário do Carmo não padecerá o fogo do inferno;
2- A Virgem do Carmo livrará o quanto antes à quantos forem ao purgatório morrendo com o Escapulário;
3- O Escapulário do Carmo é salvação em todos os perigos, pela Virgem Santíssima do Carmo;
4- Cada vez que se beija o Escapulário, ganham-se 500 dias de indulgência;
5- O Escapulário é sinal de irmandade da Virgem Maria;
6- O Escapulário do Carmo é sinal de paz e do pacto sempre terno de concórdia, garantido por Maria Santíssima;
7- O Escapulário é sinal de salvação, pela Virgem Maria;
8- O Escapulário do Carmo está enriquecido pela Igreja com inúmeras indulgências;
9- O Escapulário do Carmo é um meio simples e prático de honrar à Virgem Maria;
10- O Escapulário do Carmo é garantia de preservação da fé e da firmeza na devoção à Virgem Maria.
segunda-feira, 4 de abril de 2011
Homilia do 4° Domingo da Quaresma

Homilia do 4° Domingo da Quaresma


O Evangelho deste Domingo, nos narra a cura de um cego de nascença "Jesus ia passando e viu um homem cego que há anos mendigava naquele local.
De acordo com as crenças antigas o cego se encontrava naquela situação para pagar pecados, e os discípulos de jesus perguntaram; Mestre, quem pecou, esse ou seus pais, para que nascesse cego?".Jesus repudiou essa visão: "Nem ele pecou nem seus pais". É uma resposta breve, de Jesus, mas clara. Também não é indiferente às tragédias, deficiências e às enfermidades que se abatem sobre eles.Ele vem para curar e salvar. E a história do cego é uma manifestação disso.
 Enquanto os discípulos discutem sobre se o homem é culpado ou não, Jesus ama-o, se aproxima dele, toca-o com ternura e cura-o. Naquela mão que toca o cego, cumpre-se o mistério do amor de Deus.  Infelizmente, os homens geralmente são tão afastados entre si, até ao ponto de serem capazes de não falar ou não amar. Mas quando Ele estende a mão e toca o homem, aqui intuímos o mistério do amor de Deus. Jesus disse àquele cego: “Vai lavar-te na piscina de Siloé". O cego foi, "lavou-se e voltou vendo".
  A cura não veio através de fórmulas mágicas ou esotéricas;
 é realizada de uma forma simples: obedecendo as palavras de Jesus.
este capitulo nos chama a sairmos da nossa cegueira espiritual,e a nascermos , voltar-mos a enxergar a luz de cristo nosso senhor.
Nós seremos curados da cegueira e poderemos perceber quem está ao nosso redor; e, vivendo o nosso batismo, todos seremos capazes de estender,
ao chegar a nossa vez, as mãos para tocar com afeto os que estão sozinhos, que estão necessitando, quem pede a amizade.
Tocado pelo Senhor, o cego de nascença praticamente renasceu; ele não somente enxergava aquilo que antes não via, mas também acreditou em Jesus como Messias,
 embora ainda não O conhecesse bem. Teria que ir dando passos pouco a pouco, aprofundando sua fé. Ele tornou-se um novo homem.




Dom Orani João Tempesta, O. Cist.
Arcebispo Metropolitano de São Sebastião do Rio de Janeiro - RJ(fonte; cnbb)www.cnbb.org.br
sábado, 2 de abril de 2011
Fácil vs difícil

Fácil vs difícil

 Ler somente se tiver tempo para Deus.(Reflexão)
Por que é tão difícil dizer a verdade e tão fácil mentir?
Por que temos tanto sono na igreja, mas quando acaba a Missa repentinamente estamos tão acordados?
Por que é tão difícil falar de Deus e tão fácil dizer coisas sujas?
 Por que é tão chato ler uma revista cristã e tão divertido folhear uma com conteúdo nojento?
Por que é tão fácil apagar mensagens de Deus e enviar mensagens sujas?
Por que as igrejas e  se tornam cada vez mais pequenas em quantidade, enquanto os bares e discotecas crescem tanto?
 Por que é tão fácil ver um palito no olho de alguem, e tão dificil enxergar uma trave em nossos olhos?
 Por que é tao fácil viver enganando as pessoas  e tão difícil viver honestamente?
 Por que é tão fácil passar a noite em uma festa mundana e tão difícil fazer uma hora de vigília na igreja diante do santissimo?
 Por que é tão facil dançar e cantar músicas do mundo e tão difícil louvar Jesus com cânticos?
 Por que é tão fácil mudar de religião e tão difícil de se converter?
 Por que é tão fácil se vingar e tão difícil de perdoar?
LEMBRE-SE SÓ CHEGARÁ AO REINO DOS CÉUS QUEM  SABER PERDOAR 
sexta-feira, 1 de abril de 2011
A palavra de Deus

A palavra de Deus


Receita para a santidade, carta de DEUS para humanidade, nela encontramos todo apreço
do SENHOR para com todos nós; a palavra de DEUS.
Ela nos dá o melhor modelo de vida à seguirmos; O da vida Eterna
Todo documento da Santa Igreja Católica é inspirado pela palavra por meio do ESPÍRITO SANTO que o SENHOR nos enviou para que não ficássemos órfãos;
"E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro consolador, para que fique convosco para sempre;
O Espírito de verdade, que o mundo não pode receber, porque não o vê nem o conhece; mas vós o conheceis, porque habita convosco, e estará em vós. (João 14;16,17}
A palavra de DEUS  é uma espada de dois gumes que penetra em nossos corações, e tem o poder de mudar nossa vida .
A transformação do ser humano se dar pela vivência do evangelho; Ler, refletir e viver a palavra, é viver intensamente o amor de DEUS em nossa vida 
A palavra de DEUS nos chama constantemente à vivermos uma vida de santidade;
"Mas, como é santo aquele que vos chamou, sede vós também santos em toda a vossa maneira de viver;
Porquanto está escrito: Sede santos, porque eu sou santo. (1 Pedro,1;16), assim dará testemunho para os outros irmãos, a também viver a vontade de DEUS.
Mas como consigo viver a palavra com tantas armadilhas e ciladas do inimigo, pois sou tão fraco e pecador?
  Lembre-se o SENHOR não nos abandona, DEUS é maior e tudo posso naquele que me fortalece,  E a palavra do SENHOR é nosso escudo e nossa armadura;
No demais,  irmãos meus,  fortalecei-vos no Senhor e na força do seu poder. Revesti-vos de toda a armadura de Deus, para que possais estar firmes contra as astutas ciladas do diabo; porque não temos que lutar contra carne e sangue, mas sim contra os principados, contra as potestades, contra os príncipes das trevas deste século, contra as hostes espirituais da maldade, nos lugares celestiais. Portanto, tomai toda a armadura de Deus, para que possais resistir no dia mau e, havendo feito tudo, ficar firmes. Estai  pois, firmes, tendo cingidos os vossos lombos com a verdade, e vestida a couraça da justiça, e calçados os pés na preparação do evangelho da paz; tomando sobretudo o escudo da fé, com o qual podereis apagar todos os dardos inflamados do maligno.Tomai também o capacete da salvação e a espada do Espírito, que é a palavra de Deus,(Efésio 6. 10,17)
Siga os exemplos dos santos da Igreja  Católica que tiveram sua conversão espiritual pela palavra do SENHOR  e lembre sempre " IDE PELO MUNDO E  PREGAI  O EVANGELHO A TODA CRIATURA" (Mc 16:15).


Pregadora: Edilene, Comunidade Católica Filhos de Sião
Evento; Manhã de Espiritualidade
Local; Santuário Sagrado Coração de Jesus; Marco-CE 27/03/11
Ultimas Notícias
Loading...
Enviar Mensagem
Aperte Esc para Fechar
Copyright © 2010 - 2016 Comunidade Católica Filhos de Sião Todos os Direitos Reservados